Itália quer força-tarefa para combater crimes contra mulheres

Da Agência Ansa

A ministra para as Reformas Constitucionais e Relações com o Parlamento da Itália, Maria Elena Boschi, informou hoje (11) que deseja convocar uma espécie de força-tarefa para combater os casos de assassinatos de mulheres na Itália. "Estamos preparando a equipe e quero incluir alguns consultores. Há fundos de 12 milhões de euros para isso e nós podemos fazer muito", disse Boschi ao jornal Corriere della Sera.

Ao ser questionada se o problema para combater os crimes eram as leis, a ministra enfatizou a formação e a educação dada pelas famílias. "Para derrotar o feminicídio é preciso começar pelas famílias. Se olharmos com frieza os dados do Ministério do Interior, vemos que nos cinco primeiros meses de 2016 o fenômeno diminuiu 20% na comparação com 2015. Esses números devem guiar, mas não servem para nada diante de uma mãe, de um irmão ou de uma amiga", ressaltou.

Segundo a ministra, considerada o braço direito do primeiro-ministro Matteo Renzi, houve avanços na questão na Itália e agora os policiais e as equipes de segurança "têm mais consciência e são mais atentas às vítimas de 'stalking' [perseguição] e de violência".

Apesar dos dados oficiais apontarem uma queda no número de feminicídios, desde o início de 2016 51 mulheres perderam a vida por ação violenta de seus parentes ou de atuais ou ex-companheiros, segundo dados da Telefone Rosa, associação especializada no apoio às mulheres.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos