Brasil não retomará crescimento "da noite para o dia", diz diretor da OMC

Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

O presidente interino Michel Temer e o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo Valter Campanato/Agência Brasil

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, afirmou hoje (13), após audiência com o presidente interino, Michel Temer, que a organização está à disposição do governo brasileiro para ajudar, no que for possível, na recuperação do crescimento econômico do país. Para Azevêdo, a retomada do crescimento não será um processo imediato, que vá ocorrer "da noite para o dia".

Azevêdo disse que também colocou Temer a par das negociações no âmbito da OMC. "Vim, mais uma vez, aprofundar o diálogo entre o governo brasileiro e a OMC, que continua sempre interessada em avançar no diálogo com o Brasil e facilitar a inserção do país no comércio internacional", disse Azevêdo em entrevista no Palácio do Planalto.

Questionado sobre a atual situação do país, o diretor-geral da OMC respondeu que esse é um momento de "turbulência" e "recessão" para o país. "Não é um momento fácil para o país. É um momento de turbulência em todas as áreas, na área econômica, em particular. A recessão não é pequena, não é uma coisa de que se possa ignorar a profundidade, a importância. Mas acho que ninguém no Brasil, muito menos no governo, ignora essa situação e estão todos trabalhando para reverter isso no mais curto prazo possível."

José Serra

Roberto Azevêdo negou que haja discrepâncias entre suas posições como diretor-geral da OMC e as do ministro das Relações Exteriores, José Serra, ao ser questionado sobre trechos do discurso de posse do chanceler que foram interpretados por alguns como críticas à organização. Azevêdo disse não ter visto críticas à OMC na fala de Serra.

O diretor da OMC se disse "perplexo" com notícias sinalizando que ele e Serra estariam em oposição. "Nem eu, nem ele entendemos isso, porque falamos exatamente a mesma coisa: que o Brasil tem que procurar avançar no comércio internacional, em abertura de mercados, em qualquer via que permita que isso aconteça."

E completou "É muito importante que fique claro que não tem nenhuma discrepância de visão entre o diretor-geral [da OMC] e o ministro de Estado das Relações Exteriores. Estamos perfeitamente afinados e amanhã até vamos conversar."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos