Governo dos EUA derruba veto contra transexuais no Exército

Da Agência Ansa

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, anunciou hoje (30) o fim da proibição de transexuais nas Forças Armadas.

A medida já havia sido antecipada pela imprensa local na semana passada, mas foi confirmada oficialmente nesta quinta-feira. "Nosso dever é defender o país. Não podemos impedir o recrutamento de pessoas que podem realizar tal missão", afirmou.

Comissão

Uma comissão trabalhou durante um ano para resolver todos os potenciais problemas que poderiam surgir com a mudança. As Forças Armadas terão até 45 dias para se adaptar, embora reservadamente alguns militares achem que o prazo é muito curto.

Homossexuais declarados já eram permitidos no Exército desde 2011, quando uma decisão revogou a política do chamado "não pergunte, não responda", mas os transexuais continuaram sujeitos à dispensa. 

No país, existem soldados que trocaram de sexo, mas eles não podiam comentar o assunto abertamente e nem tinham direito a serviços médicos relativos à sua condição.

WikiLeaks

O veto a transexuais se baseava na ideia de que esse grupo sofre de transtornos psicológicos. O caso mais famoso de troca de sexo nas Forças Armadas dos EUA é o do soldado Bradley Manning, que, em 2014, mudou seu nome para Chelsea Manning.

Ela cumpre pena de 35 anos de prisão por ter revelado segredos militares ao site WikiLeaks e faz tratamento hormonal para passar pela cirurgia. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos