Rosso, Amin e Orlando Silva defendem retorno da Câmara à normalidade

Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

 

Para  Rogério Rosso, governabilidade e a estabilidde do governo serão obrigações do próximo presidenteWilson Dias/Agência Brasil

Apontado como candidato preferido do Planalto para ocupar a presidência da Câmara, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF) disse que a situação de sucessão na Casa é atípica e que o Parlamento espera alguém que "não queria inventar a roda". "Não é o momento de inventar a roda. É o momento de trabalhar com simplicidade, estabilidade, voltando à normalidade dos trabalhos aqui na Casa."

Rosso informou que conversou com todas as bancadas e, assim como a maioria dos candidatos, fez um discurso defendendo a pacificação. Em tom mais emotivo, Rosso não apresentou um programa específico, mas afirmou que sua atuação, caso vença a disputa, será voltada para cumprir a Constituição, "respeitar as instituições, honrar a atividade parlamentar e pautar a não imposição individual, mas o compartilhamento."

Ainda de acordo com o deputado, é "obrigação" do próximo presidente "garantir a governabilidade e a estabilidade para o governo".

Durante o discurso, Rosso rebateu a deputada Luiza Erundina (PSOL-SP), que chamou o governo interino de Michel Temer de golpista. "Fico pensativo quando se fala em golpe."

Logo após Rosso, foi a vez do deputado Gilberto Nascimento (PSC-SP), integrante da bancada evangélica, que, ao fim do discurso, renunciou à candidatura em favor de Rosso.

"Conversando com a bancada do meu partido, resolvi, nessa tarde, mesmo analisando as demais candidaturas, que nós vamos votar no nome do deputado Rogério Rosso, que entendemos que pode fazer a travessia na nossa Casa", acrescentou Nascimento.

Esperidião Amin quer devolver ao povo o orgulho do ParlamentoWilson Dias/Agência Brasil

Em seguida foi a vez do deputado Esperidião Amin (PP-SC). Segundo ele, é preciso devolver ao povo brasileiro o "orgulho do Parlamento". Para Amin, a disputa para a presidência terá como desafio devolver o diálogo e a convivência harmoniosa entre os deputados. Se eu pudesse resumir em um única palavra, seria a convivência em paz com os diferentes, com aqueles que pensam diferente da gente. Vejos nessa diferença de pensamento uma contribuição a possibilidade de aprendizado."

O último a discursar foi Orlando Silva (PCdoB-SP), candidato da oposição, ao lado de Luiza Erundina. Em seu discurso, Silva disse que a crise econômica foi potencializada pela crise politica e que a Câmara deveria agir para a retomada do crescimento.

"Há uma repercussão imediata da crise econômica sobre a vida do povo e a Câmara deveria todos os dias refletir sobre o que podemos fazer para enfrentar essa crise."

Silva disse ainda que o deputado afastado e ex-presidente da Casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi um dos responsáveis pela crise da Câmara. "Hoje, voltamos às urnas para eleger um presidente, porque, felizmente, apesar da demora, o presidente réu foi afastado", disse Silva.

Ele lembrou as diferentes manobras de Cunha no comando da Casa. "Não havia prerrogativa de se exercer a condição de oposição. Sempre que ele perdia, mandava votar de novo. Não havia regimento, não havia Câmara", afirmou.

 

Segundo o deputado, a crise no parlamento foi agravada após a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff.

"Essa eleição é expressão de uma das mais profundas crises políticas que o pais já viu. Essa crise politica grave do Brasil é potencializada porque quebramos a ordem institucional do pais quando esse plenário votou pelo afastamento da presidenta Dilma Rousseff."

Para o deputado, a próxima presidência tem de garantir a convivência pacífica entre governo e oposição. "Temos de restabelecer o funcionamento normal da Casa e isto só acontecerá respeitando-se os direitos das minorias", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos