Prefeito afastado de Montes Claros conquista votos para segundo turno

Paulo Victor Chagas e Léo Rodrigues - Repórteres da Agência Brasil

Afastado do cargo e considerado foragido, o prefeito de Montes Claros (MG), Ruy Muniz (PSB), conquistou votos suficientes para ir ao segundo turno, mesmo com a candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) há quatro dias. O nome dele ganhou projeção nacional em abril, quando foi preso pela Polícia Federal um dia depois de sua esposa, a deputada Raquel Muniz (PSD), ter elogiado o marido ao votar a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

"Meu voto é para dizer que o Brasil tem jeito, e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão", disse a parlamentar na ocasião, em 17 de abril. Um dia depois, Ruy Muniz foi preso, acusado de sabotar o funcionamento de hospitais públicos e filantrópicos para beneficiar o Hospital das Clínicas Mario Ribeiro da Silveira, que pertence à sua família.

Com 100% das urnas apuradas, o candidato Humberto Guimarães Souto (PPS) obteve 54,89% dos votos válidos e terminou em primeiro lugar nas eleições. A situação, porém, ainda é indefinida, já que um recurso no Tribunal Superior Eleitoral pode reverter o cancelamento da candidatura de Muniz.

Logo após a decisão unânime do TRE-MG na última quarta-feira (28), Ruy Muniz anunciou que recorreria ao TSE. Ele teve a candidatura indeferida após o vice na coligação, Danilo Fernando Macedo (PMDB), protocolar seu pedido de renúncia no dia 16 de setembro. Caso o TSE mantenha a decisão da Justiça Eleitoral do estado, a vitória em primeiro turno de Humberto Souto, que recebeu mais de 76 mil votos, será confirmada.

Como as urnas eletrônicas já estavam lacradas, o nome e a foto de Ruy Muniz apareceram para os eleitores e ele acabou tendo 48.834 votos. que foram considerados invalidados. Em segundo lugar dentre os candidatos em situação regular de acordo com a Justiça Eleitoral, Marilene Alves de Souza (PT), conhecida como Leninha, obteve 25,82% dos votos válidos, com 36 mil votos.

Foragido

O indeferimento da chapa não é o único problema de Ruy Muniz com a Justiça. O prefeito teve a prisão preventiva decretada na última quinta-feira (15) e é considerado foragido. No entanto, a legislação eleitoral proíbe a prisão de candidatos até 15 dias antes da eleição, a não ser em caso de flagrante ou de sentença judicial transitada em julgado. Como o prefeito afastado não foi preso antes de domingo (18) e há uma liminar garantindo o prosseguimento de sua campanha, ele só poderá ser detido a partir de terça-feira (4).

A prisão preventiva foi pedida pela Operação Tolerância Zero, que investiga esquema de desvio de verbas públicas na Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb). A investigação constatou que o consumo de combustíveis pela frota da empresa passou de 15 mil litros, em janeiro de 2013, para 25 mil no mês seguinte.

Além disso, um decreto assinado por Ruy Muniz no mesmo ano autorizou a Esurb a subcontratar outras empresas para executar obras públicas, abrindo espaço para um esquema fraudulento com o envolvimento de empresários. Dois deles teriam recebidos R$ 7,5 milhões, que seriam referentes à locação de máquinas. Também há suspeitas de irregularidades na compra da casa onde reside a família do prefeito afastado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos