Despesas de custeio têm queda real de 12% em 2016

Mariana Branco - Repórter da Agência Brasil

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão anunciou hoje (27) que houve redução nos gastos de custeio (manutenção da máquina pública) de R$ 35,94 bilhões para R$ 33,67 bilhões, ou seja, de 12%, de janeiro a setembro deste ano ante o mesmo período de 2015. A queda é em termos reais, já descontada a inflação do período.

A economia é resultado de redução real nas despesas com quase todos os serviços usados pelos órgãos públicos, entre eles, serviços de apoio (como secretariado e limpeza), material de consumo, locação e conservação de bens imóveis, energia elétrica e água. A única rubrica na qual houve aumento de gastos foi "Outros", com alta de 171,5% na comparação com 2015.

Segundo o ministro interino do Planejamento, Dyogo de Oliveira, o motivo é que essa categoria abarca o pagamento de tarifas bancárias que estavam em atraso. Segundo ele, não é uma despesa representativa, já que, de janeiro a setembro, a rubrica respondeu por 5% dos desembolsos.

A maior redução de despesas foi com serviços de apoio, que registraram queda de 27,3% em termos reais. Os gastos com a rubrica respondem pela maior parte da despesa de custeio dos órgãos do Executivo: 45%.

Segundo Dyogo de Oliveira, a queda nos gastos é resultado de uma política para racionalizar os custos do governo federal adotada desde o ano passado. "É resultado de um conjunto amplo de ações que nós temos tomado, incluindo a maneira como se compram passagens", exemplificou. De acordo com ele, o governo deve anunciar novas ações de economia em breve. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos