Mendonça Filho acerta com Renan votação da MP do Fies hoje no Senado

Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Educação, Mendonça Filho, acertou hoje (9) com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que a medida provisória que modifica as regras de acesso ao Programa de Financiamento Estudantil (Fies) entre na pauta do Senado ainda hoje para ser votada. A MP perderá a validade por decurso de prazo no próximo dia 10, portanto, precisa ser votada hoje.

Segundo o ministro, o acordo para votação da MP foi firmado inclusive com a oposição, mediante negociação com o líder da minoria, senador Lindbergh Farias (PT-RJ). "Como o prazo está muito curto, se por ventura não for votada até amanhã, a MP pode caducar, perder a eficácia. O presidente Renan assegurou que será votada na pauta de hoje do Senado Federal. Inclusive chamou o senador Lindbergh, que representa a oposição aqui na Casa, para celebrar o mesmo acordo que foi celebrado ontem na Câmara, já que é uma matéria consensual, de interesse público e que atende a necessidade de financiamento dos estudantes do Brasil", disse.

Mendonça Filho ressaltou que a MP promove uma economia importante para o governo, que será proporcional ao montante de créditos que serão concedidos aos estudantes no próximo ano. "Essa medida provisória tem a possibilidade de gerar uma economia de R$ 350 milhões a R$ 400 milhões para o exercício de 2017, levando em consideração a nossa projeção de financiamentos que devem ser ofertados para o próximo exercício financeiro", disse.

O ministro garantiu ainda que o governo está estudando medidas que possam incrementar a oferta de crédito para a educação superior. Segundo ele, o compromisso também é de garantir que as mudanças na concessão do Fies não impliquem em aumento do custo do financiamento para os estudantes.

A medida provisória transfere às instituições privadas de ensino superior a responsabilidade pelo pagamento aos bancos dos encargos decorrentes da concessão do financiamento estudantil. De acordo com a MP, a remuneração será de 2% sobre o valor dos encargos educacionais liberados.

Antes da MP, o pagamento dos encargos era bancado pela União. A lei que criou o Fies estabeleceu a remuneração de 2% aos bancos sobre o valor dos encargos educacionais liberados. Para o governo, a instituição de um modelo de financiamento estudantil com maior participação das instituições de ensino, beneficiadas no custeio do programa, irá fortalecer o fundo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos