Comissão suspende sessão para relator alterar texto das medidas contra corrupção

Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

O presidente da comissão especial que analisa o projeto de Lei (PL) 4850/15 que estabelece as chamadas dez medidas de combate a corrupção, Joaquim Passarinho (PSD-PA), suspendeu hoje (22) por uma hora a sessão destinada a discutir e votar o relatório apresentado pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Passarinho atendeu a um pedido de Lorenzoni que disse ter recebido de última hora contribuições de diversas bancadas a pontos do texto que têm sido alvo de impasses, principalmente no ponto em que prevê a criminalização da prática de caixa dois.  Alguns parlamentares temem que a oficialização possa servir como anistia para casos anteriores à nova lei. Outro ponto polêmico é a inclusão ou não do crime de responsabilidade para juízes e membros do Ministério Público. Essas divergências podem prejudicar a votação.

"O que estamos fazendo não vai mudar em nada de substancial no texto, serão adaptações no texto", justificou Lorenzoni, que se mostrou aberto a acatar também contribuições que venham ser dadas durante o debate do texto.

Debate

Antes, o deputado Fernando Francischini (SD-PR) usou o microfone para criticar a sua substituição no colegiado, de última hora, realizada pela liderança do partido. Segundo Franscichini a substituição seria uma manobra para poder conseguir a aprovação da anistia à prática de caixa dois. "Quero denunciar a retirada do meu nome da comissão especial. Eu, como um dos autores do projeto, não posso aceitar essa manobra. Não posso aceitar uma manobra espúria dessas, feita na sombra", disse.

Após o protesto, Francischini recebeu o apoio de alguns parlamentares que também estranharam a alteração. "Isso revela uma coisa no ar que está acontecendo nos bastidores, acho que é constrangedor ver um autor da matéria que tem participado de forma contundente do debate ser sacado da comissão na hora da votação do relatório", comentou o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA).

A retirada da previsão de crime de responsabilidade para juízes e promotores foi criticada pelo deputado Fausto Pinato (PP-SP). Pinato apresentou um voto em seperado criticando a exclusão do projeto, após ter se reunido com integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato.

Pinato disse que Lorenzoni foi infeliz ao retirar o trecho após pressão de integrantes do Ministério Público sem ter conversado com integrantes do colegiado. Durante sua fala, Pinato dirigiu-se ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, e criticou o que chamou de "pressa" para votar o relatório, a partir de pressões de integrantes do Ministério Público.

"Queria dizer que aqui tem gente boa e séria, mas tanto aqui [na Câmara dos Deputados] como no Judiciário e no Ministério Público tem corrupto também, como em todas as instituições", disse. "Sou a favor das dez medidas propostas. Como brasileiro e advogado sou admirador dos juízes e promotores que defendem a Constituição, mas discordo da pressa para votação das medidas", disse.

Pinato foi rebatido pelo deputado Aliel Machado (Rede-PR), que defendeu a urgência na votação do texto. "Essa urgência não vem por parte do Ministério Público ou de deputados. Vem por parte da sociedade que nesse momento encontrou como válvula de escape a pressão popular para evitar essa sangria da corrupção e se proteger daqueles que se utilizam dos cargos públicos para tentar se proteger", disse.

Aliel também disse estranhar a ausência de deputados na última reunião do colegiado, na quinta-feira passada (17). "O que me preocupa são os acordos que fizeram com que não tivéssemos a última sessão para debater o projeto", disse. "A Lava Jato não parou porque contou com apoio popular, porque muitos agentes políticos queriam que ela parasse; não à toa senadores foram flagrados debatendo a necessidade de sua interrupção", acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos