Governadores do Nordeste debatem ajuste fiscal proposto pelo governo federal

Sumaia Villela - Correspondente da Agência Brasil

Governadores dos estados do Nordeste estão reunidos na noite desta sexta-feira (25) na sede do governo de Pernambuco, o Palácio do Campo das Princesas, no Recife (PE), para discutir um posicionamento em relação aos ajustes fiscais recomendados pelo governo federal como uma condicionante para o repasse de parte dos recursos arrecadados com as multas da chamada repatriação.

Estão presentes os chefes do Executivo de todas as unidades, com exceção de Sergipe - que enviou secretário - e Bahia. Os governadores afirmam que a imposição do ajuste não foi tratada com o presidente Michel Temer (PMDB) como uma condição para receber os repasses, questionados no Supremo Tribunal Federal (STF). Na visão dos gestores, é um direito dos Estados receber o valor.

"No nosso entender existe um choque entre o que foi conversado pelos governadores do Brasil com o presidente da República e o que está sendo encaminhado pelo Ministério da Fazenda. É preciso compreender que tem que existir uma limitação nas relações de uma federação, ou seja, os Estados têm autonomia", disse, ao chegar, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB). . Os recursos da repatriação são obtidos com a regularização de ativos mantidos por brasileiros no exterior, que não descontaram os impostos de forma devida.

Na última terça-feira (22), governadores e representantes de todas as unidades da federação reuniram-se em Brasília com o presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda Henrique Meirelles para discutir a crise financeira dos estados. O Palácio e os chefes dos Executivos estaduais chegaram a um acordo para dividir cerca de R$ 5,2 bilhões arrecados em multas do processo de repatriação. Os estados já tinham recebido os valores referentes ao Imposto de Renda (IR) recolhido na regularização de ativos de brasileiros no exterior, mas pleiteavam no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito a receber parte do que foi recebido em multas.

O acordo feito com governadores prevê que os Estados desistam das acões no STF e elaborem planos de ajuste fiscal nos estados.  Os chefes do Executivo afirmaram ser necessário fazer um ajuste nas contas públicas e destacaram já terem aplicado medidas nesse sentido, mas um dos impasses é no corte de investimentos em políticas sociais, preocupação do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

"Chega de recessão, chega de desemprego, é preciso que haja ampliação das receitas públicas, controle dos gastos que são dispensáveis, mas sem sacrificar as políticas sociais que são fundamentais para que o Brasil combata a desigualdade social e regional, sobretudo no caso do Nordeste. Minha expectativa é de muita unidade entre os governadores do Nordeste para que a gente ajude o conjunto dos governadores a encontrar um pacto federativo com o governo federal".

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), argumenta que o direito à parte das multas é previsto em lei. "Os governadores estão abertos ao diálogo, mas sem ninguém impor nada a ninguém. Em relação à multa da repatriação, a nossa defesa é que o artigo 160 da Constituição assegura não só a partilha do imposto mas também os acessórios, neste caso as multas. Tanto é verdade que o Supremo já deu um primeiro passo, bloqueando o valor como uma garantia, se Deus quiser para a liberação aos estados".

Os governadores também vão discutir o andamento das obras hídricas estruturantes que devem aliviar a seca prolongada que atinge o semiárido nordestino. Por falta de repasses federais, construções como a Adutora do Agreste, em Pernambuco, estão quase paralisadas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos