Produtos da ceia de Natal sobem 10,19%; presentes aumentam 4,23% em média

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

A cesta de produtos para a ceia do Natal deste ano subiu 10,19%, de acordo com pesquisa divulgada hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre). O resultado supera a inflação média de 6,76%, acumulada nos últimos 12 meses medida em novembro , segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da FGV. Entre os itens com maior aumento de preço, destaque para azeite (17,52%), vinho (16,95%) e frutas frescas (16,91%).

O economista André Braz, coordenador do IPC do FGV/Ibre, disse que como se espera uma inflação para o ano abaixo de 7%, a alta de 10,19% é real. "Quer dizer que esses produtos já vão pesar nos orçamentos comprometidos pela crise que a gente atravessa. O consumidor vai ter que usar, mais do que nunca, sua criatividade, para botar o mínimo na ceia". Braz avaliou que ao fazer as compras para o Natal, o consumidor não terá nenhum alívio. Vai perceber o efeito dos aumentos recentes. "Ainda que a inflação esteja cedendo agora, com as taxas recuando, isso ainda é um desafio porque os alimentos acumulam uma gordura muito grande do tempo em que estavam subindo de preço e as famílias estão com a carteira vazia, porque tem muita gente desempregada". Ele diz que há um efeito da recessão na ceia de Natal.

Produtos para a ceia do Natal deste ano subiu 10,19%, superando a inflação dos últimos 12 mesesMarcelo Camargo

Presentes

A pesquisa da FGV mostra, em contrapartida, recuo nos preços dos presentes no período de 12 meses. A média dos preços ficou em 4,23%, índice que está abaixo da inflação. Isso se explica, segundo Braz, porque entre os presentes há muitos bens duráveis que são adquiridos financiados. "Ninguém está se comprometendo no longo prazo com essa taxa de juros alta, até porque está com medo de perder o emprego, quem ainda pode financiar, e não tem capacidade de pagar um produto influenciado por uma taxa de juros desse tamanho. Isso diminuiu muito o consumo de eletroeletrônicos", explicou. Com isso, os preços não tiveram como avançar.

Apesar disso, o economista não aconselha os consumidores que não se prepararam para comprarem bens duráveis neste momento. "Está mais na época da gente economizar dinheiro". A recomendação é que deem preferência a bens que não ocupam muito espaço no orçamento, como vestuário, por exemplo, incluindo roupas e calçados, cujos preços evoluíram 3,77% entre dezembro de 2015 e novembro deste ano. "Dá para a gente presentear com coisas que cabem mais no bolso e não precisam de financiamento de longo prazo".

Moderação

O levantamento do Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL Rio) revela pouco otimismo da parte do comércio do município para o Natal. Dos 750 lojistas da cidade do Rio de Janeiro consultados sobre a expectativa para o Natal, 60% estimam crescimento de apenas 1% nas vendas este ano. Apesar da crise financeira que o estado atravessa, o presidente do CDL Rio, Aldo Gonçalves, disse que os lojistas estão preparados para a demanda, fazendo promoções, fixando descontos e planos de pagamentos facilitados, além da promoção de liquidações, lançamento de novos produtos e diversificação de produtos.

Gonçalves atribuiu o otimismo moderado dos lojistas em relação ao Natal ao fraco desempenho das vendas nas datas comemorativas ocorridas durante o ano. Segundo ele, o desemprego, os juros altos e a inflação são fatores inibidores do consumo. "Quando a economia vai mal, afeta o clima de otimismo e inviabiliza as compras. É o ambiente econômico que dita o comportamento do consumidor. É a economia em desenvolvimento harmonioso que sustenta os ciclos de produção, emprego, consumo e progresso social. Não se conhece fórmula diferente", disse Aldo. Os lojistas acreditam que os presentes mais vendidos no Natal serão brinquedos, roupas, calçados, lembrancinhas, bolsas, acessórios e bijuterias, com preço médio por presente de R$ 100.

Gasto médio

Os lojistas acreditam que os presentes mais vendidos no Natal serão brinquedos, roupas, calçados, lembrancinhas, bolsas, acessórios e bijuteriasFernando Frazão/Agência Brasil

Sondagem nacional efetuada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio/RJ) e Instituto Ipsos estima o gasto médio real, descontada a inflação, com presentes no Natal em R$ 235,25, injetando na economia do país recursos de R$ 14,8 bilhões. Segundo o levantamento, 41% dos brasileiros pretendem presentear alguém na data, com destaque para a Região Sul (46%), seguida da Região Norte (44%), Centro Oeste (41%), Sudeste (40%) e Nordeste (37%).

Por classes sociais, a pesquisa identificou que 53% das classes A e B vão comprar presentes no Natal, enquanto na classe C, o percentual cai para 40%. Nas classes D e E, 21% disseram que vão presentear alguém. A sondagem mostra, também, que as lembrancinhas (43%), tal como ocorreu no ano passado, continuam concentrando a preferência do consumidor. Seguem-se roupas e acessórios, com 40%, e brinquedos (22%).

Expectativas

A Sondagem de Expectativas do Consumidor, divulgada também hoje pela FGV, indica melhora na intenção de compras de Natal dos brasileiros, embora em patamar ainda fraco em termos históricos: 57,7% dos consumidores pretendem gastar menos do que no ano passado, contra 5,4% que tencionam gastar mais. Em 2015, os percentuais alcançaram 61,5% e 5,6%, respectivamente.

De acordo com a FGV, o preço médio real previsto para os presentes de Natal subiu 12%, passando de R$ 91,42 para R$ 102,35, de 2015 para 2016. Os itens mais procurados, segundo a FGV, são roupas e brinquedos, citados, respectivamente, por 43,9% e 20,9% dos consumidores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos