Infestação do Aedes está acima do tolerado pela OMS em 80 cidades mineiras

Léo Rodrigues - Correspondente da Agência Brasil

Brasília - Sete cidades mineiras - Bambuí, Bom Despacho, Governador Valadares, Aimorés, Mutum, Novo Cruzeiro e Paracatu - apresentaram situação de risco, registrando um percentual igual ou superior a 4% , conforme levantamento da secretaria de Saúde de Minas Gerais Arquivo/Agência Brasil

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais divulgou hoje (14) um levantamento da infestação do mosquito Aedes aegypti feito em 138 municípios do estado. Em 80 deles, o que representa 58%, o índice está acima do tolerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O número pode ser maior, já foram analisadas apenas 16,2% das cidades.  O estado de Minas Gerais possui 853 municípios.

O Aedes aegypti é o transmissor da dengue, do vírus Zika e da febre chikungunya. A OMS acredita que a quantidade de imóveis com criadouros do mosquito seja inferior a 1%. Sete cidades mineiras - Bambuí, Bom Despacho, Governador Valadares, Aimorés, Mutum, Novo Cruzeiro e Paracatu - apresentaram situação de risco, registrando um percentual igual ou superior a 4%. Em cada 100 imóveis analisados, pelo menos quatro possuíam focos do inseto. O caso mais grave é Mutum, que registrou um índice de 10,2%, seguido de Governador Valadares, com 7,9%.

Outros 73 municípios estão em situação de alerta, com percentuais variando entre 1% e 3,9%. De acordo com o levantamento,  58% das cidades analisadas estão no limite tolerado, com menos de um imóvel infestado em cada grupo de 100 analisados. Belo Horizonte é um deles. A capital mineira registrou um índice de 0,6%.

A pesquisa classificou os tipos de reservatórios onde os criadouros foram encontrados. A localização de 28,48% dos focos eram depósitos de solo, tais como barris, tambores, tanques e poços, entre outros. Além disso, 21,44% dos criadouros foram encontrados em depósitos móveis, como vasos, pratos e bebedouros, e outros 20,47% em depósitos fixos, como obras, calhas e lajes.

Em menos quantidade, focos também foram encontrados em pneus, lixos (garrafas, latas e sucatas), depósitos naturais e depósitos elevados, como caixa d'água. "Mais de 90% dos criadouros do vetor são intradomiciliares. Daí a importância de agirmos em conjunto com a população", destacou Rodrigo Said, subsecretário de vigilância e proteção à saúde de Minas Gerais.

O levantamento foi apresentado durante o lançamento da Campanha de Enfrentamento ao Aedes aegypti, que será coordenado pelo comitê gestor estadual, instalado no final de 2015, para o combate do mosquito. A estrutura é composta por representantes da Secretaria de Saúde de Minas Gerais, da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e outros órgãos estaduais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos