Temer diz que Dom Paulo defendia liberdade e sociedade justa

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil

Dom Paulo Evaristo Arns foi um defensor da liberdade, disse Temer    CNBB

Por meio de nota, o presidente Michel Temer lamentou a morte de Dom Paulo Evaristo Arns. O cardeal estava internado desde o dia 28 de novembro com broncopneumonia no Hospital Santa Catarina, em São Paulo. Ele morreu na manhã de hoje (14). O velório está previsto para o final da tarde na Catedral da Sé.

Na nota divulgada pelo Palácio do Planalto, Temer diz que "Dom Paulo foi um defensor da liberdade e sempre teve como norte a construção de uma sociedade justa e igualitária".

Temer acrescenta que o Brasil "perde um defensor da democracia e ganha para sempre mais um personagem que deixa lições para serem lembradas eternamente".

Dom Paulo tinha 95 anos, 71 anos de sacerdócio e 76 anos de vida franciscana. Ele era cardeal desde 1973 e foi arcebispo metropolitano de São Paulo entre 1970 e 1998.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos