Polícia incinera 350 quilos de droga encontrada em avião que caiu no Paraná

Alex Rodrigues - Repórter da Agência Brasil

As polícias civil e militar do Paraná incineraram mais de 350 quilos de pasta base de cocaína encontrada no tanque de um avião que caiu no último fim de semana, no município de Querência do Norte - no noroeste do estado, a 623 quilômetros de Curitiba.  A empresa dona da aeronave informa que o aparelho tinha sido furtado.

Segundo o delegado do vizinho município de Loanda, Alysson Gabriel Tinoco, a pasta base foi rapidamente destruída para evitar que criminosos tentassem recuperá-la, conforme já aconteceu em outras delegacias do país. De acordo com estimativa do delegado, a droga apreendida renderia, nas ruas, entre R$ 8 milhões e R$ 9 milhões aos traficantes.

O avião caiu em uma fazenda a cerca de 80 quilômetros do centro de Querência do Norte, próximo à divisa com o Mato Grosso do Sul. Acionados, os primeiros policiais militares que chegaram ao local já não encontraram o piloto. Cerca de 60 quilos de pasta base em tablets estavam espalhados ao redor da cabine da aeronave. Posteriormente, a Polícia Civil encontrou mais cerca de 300 quilos da droga no chamado tanque seco (hopper), originalmente usado para acondicionar agrodefensivos.

Segundo o delegado, testemunhas relataram que o pilotot deixou o local em um táxi. A polícia já identificou e ouviu o taxista, que contou que foi ao local atendendo a um chamado telefônico. O taxista disse que o homem estava ferido, pediu para ser levado até uma cidade próxima, mas, no meio do caminho, pediu que o motorista o deixasse ali e se embrenhou em um matagal.

A Polícia Civil já colheu provas biológicas que podem ajudar na identificação do piloto e ouvirá representantes da empresa de serviços agropecuários, dona do avião. À Agência Brasil, funcionários da Onesko Aviação Agrícola informaram que o advogado da empresa registrou boletim de ocorrência de furto da aeronave, sem precisar quando isso foi feito. Desde a última sexta-feira (13), o dono da empresa, Jaroslau Onesko Filho, não se comunica com os empregados, que souberam da queda da aeronave pela imprensa.

"Estamos esperando notícias do Jaroslau. Fomos todos pegos de surpresa, no sábado (14), e nem sequer imaginamos o que pode ter acontecido", comentou a secretária da empresa, Letícia Evelyn da Silva, explicando que Onesko usou o avião na última quinta-feira (12) à tarde para pulverizar uma fazenda que, segundo ela, contratou o serviço diretamente com o dono da empresa e piloto.

Na sexta-feira (13), supostamente após realizar o serviço, o Jaroslau apareceu no escritório, em São Jorge do Ivaí [PR], na parte da tarde, de acordo com a secretária, e disse apenas que iria para Maringá comprar algo para o avião. Depois disso, acrescentou, "não soubemos de mais nada, até que, no sábado, soubemos que o avião tinha caído. Hoje, o advogado nos informou apenas que tinha registrado um boletim de ocorrência [na polícia] e que podíamos abrir o escritório e trabalhar normalmente".

A Agência Brasil não conseguiu contato com o advogado da empresa, nem com Jaroslau Onesko Filho, cujo telefone só dá caixa postal. O delegado de Loanda informou que não tinha conhecimento do registro do boletim de ocorrência, mas disse que iria procurar os representantes da Onesko.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos