Rio distribui vacinas contra febre amarela a municípios na divisa com Minas

Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro deu início hoje (24) à entrega de doses da vacina contra a febre amarela a 16 prefeituras. Serão disponibilizadas 350 mil doses, 250 mil para ação de bloqueio contra o vírus nas divisas com os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, onde há circulação do vírus da forma silvestre. O restante servirá para reabastecer os estoques nas demais prefeituras. As doses serão distribuídas aos poucos, de acordo com a capacidade de armazenamento dos municípios, já que não se trata de uma vacina universal.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr. não há registros da circulação do vírus da febre amarela no território do Rio de Janeiro e por isso a vacinação não será generalizada.

"O principal critério para definição da ação de bloqueio é a proximidade com as áreas de surto em Minas Gerais. Estamos recomendando a intensificação da imunização da população que vive na divisa dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo", explicou.

Campanha de vacinação

As autoridades municipais das cidades que receberão a vacina vão se reunir nesta quinta-feira (26), em Miracema (RJ), para discutir a estratégia de imunização. A secretaria estadual recomenda que os municípios realizem a campanha de vacinação entre os dias 28 de janeiro e 10 de março, em etapas, dividindo a população por faixas etárias: de 9 meses a 9 anos; 10 anos a 19 anos; 20 a 29 anos; 30 a 39 anos e 40 a 59 anos.

Com base na avaliação do cenário epidemiológico, dez municípios vão oferecer a vacina em todo o território: Cantagalo, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Itaperuna, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua e Varre-Sai. Já os municípios de Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, Itaperuna, Sapucaia, Três Rios e Paraíba do Sul terão localidades específicas para a imunização, não sendo recomendada a vacinação de toda a população.

"O objetivo é criar um bloqueio contra o vírus nas regiões mais vulneráveis sob o ponto de vista geográfico, diante da proximidade das áreas onde há surtos em Minas Gerais. O público-alvo serão os habitantes com idades a partir de 9 meses até 60 anos, residentes nos municípios e localidades definidas pela secretaria para a ação", disse o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chiepp. "É essencial que os postos de saúde observem as contraindicações específicas para esta vacinação de bloqueio", destacou.

A vacina contra a febre amarela é contraindicada para gestantes, mães que amamentam, crianças menores de 6 meses de idade, pessoas com alergia a ovos e derivados, pessoas com doença febril aguda, com comprometimento do estado geral de saúde e com doenças que causam alterações no sistema de defesa. Também não deve tomar a vacina quem estiver passando por terapias imunossupressoras (como quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides), portadores de Lúpus Eritematoso Sistêmico ou com outras doenças autoimunes.

Pacientes com doenças neurológicas de natureza desmielinizante (Síndrome de Guillan Barrè, ELA, entre outras) no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina também não devem tomar o imunizante nem pacientes transplantados de medula óssea, com histórico de doença do Timo, além de pessoas com HIV.

Crianças menores de 2 anos de idade que não tenham sido vacinadas contra febre amarela não devem receber as vacinas tríplice viral ou tetra viral junto com a vacina. O intervalo entre os imunizantes deve ser de 30 dias. Nesta campanha de bloqueio no Rio, não serão vacinados bebês com menos de 9 meses de idade.

Casos

Não houve registro de casos autóctones (transmitidos dentro do estado) da doença nas últimas décadas no Rio de Janeiro. O estado não é uma região endêmica para febre amarela. A orientação é para que as pessoas que planejam viajar para áreas onde há comprovação da circulação do vírus procurem os postos de saúde para se vacinar com, pelo menos, dez dias de antecedência.

A vacina está disponível durante todo o ano nos postos e unidades básicas de saúde, pode ser administrada a partir dos 9 meses de idade, e vale por dez anos. Quem já se vacinou pela segunda vez - respeitando o intervalo de 10 anos - não deve se vacinar novamente, a imunidade já está garantida.

Na última quarta-feira (18), a secretaria estadual de Saúde do Rio publicou nota técnica orientando a intensificação das vigilâncias municipais para pacientes com sintomas característicos da febre amarela.

Há dois tipos de febre amarela: silvestre e urbana. A urbana é transmitida pelo Aedes aegypti e, desde a década de 1940 não há registros no Brasil, acordo com o Ministério da Saúde. Já a silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabeths, insetos de hábitos estritamente silvestres.

A febre amarela silvestre é endêmica em algumas áreas do país, principalmente na Região Amazônica. Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), insuficiências hepática e renal, manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, transmitida exclusivamente pela picada de mosquitos infectados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos