Casa mantida com financiamento coletivo acolhe LGBTs em SP

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Um sobrado no bairro da Bela Vista, na região central de São Paulo, funciona desde o início do ano como um lar acolhedor para a população LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) expulsa de casa e em situação de rua. O casarão, cujo aluguel é bancado por um financiamento coletivo de 1,2 mil pessoas, tem capacidade de abrigar até 20 moradores. Hoje, está com seis "hóspedes" que poderão ficar por cerca de três meses, até conseguirem restruturar a vida.

"A gente queria colocar o projeto em pé da forma que a gente acredita, de uma forma colaborativa", diz o idealizador do projeto, Iran Giusti, que arrecadou R$ 112, mil pela internet. "Queremos entender como é viável a gente fazer esse atendimento individual, em uma maior escala e, principalmente, como que é viável você organizar uma casa em um espaço que seja autossustentável e possa ser replicado em outras cidades, em outros bairros, estados".

O projeto hoje caminha para ser totalmente autossustentável, segundo o idealizador. A manutenção do imóvel, assim como a limpeza, é de responsabilidade dos moradores. Por enquanto, Iran paga do próprio bolso, com auxílio de doações, a alimentação de todos os hóspedes, as contas da casa e os produtos de higiene.

"A ideia é que a gente tenha financiamento recorrente e recursos venham da programação da casa, como festas, eventos, feiras e cursos que serão oferecidos no local". Na parte térrea do sobrado existem espaços para exposições e uma sala com uma biblioteca. "Além disso, vamos começar a dialogar com as secretarias públicas, municipais e estaduais e também com a iniciativa privada", disse Iran.

Para se hospedar no casarão é necessário ter mais de 18 anos e ter sido expulso de casa. A seleção é feita pelo próprio idealizador do projeto. "A gente avalia até onde a gente consegue auxiliar. Se tem alguém que tem alguma necessidade de um acompanhamento médico mais incisivo ou de proteção, em situação de risco, aí a gente encaminha para os órgãos competentes que conseguem auxiliar essas pessoas nesse contexto".

Marcel Borges, de 26 anos, é o mais velho da casa e está há menos de uma semana hospedado no sobrado. Ele teve de sair de casa após uma discussão. "Estou em processo de transição de gênero e, quando isso acontece, a família acaba entrando em transição também. E muita gente não sabe como lidar com isso quando acontece", disse. "Eu não conseguia mais ficar com minha família, a gente precisava dessa distância, porque estava sendo muito agressivo para mim, psicologicamente. Aqui a gente se sente como uma família, de reconhecimento, de saber o que o outro está passando".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos