Blocos de rua ajudam a descentralizar a folia em Belo Horizonte

Léo Rodrigues - Correspondente da Agência Brasil

Uma característica do carnaval de Belo Horizonte é a diversidade de ritmos. Há blocos para quem gosta de samba, marchinha, axé, afoxé, rock, reggae, sertanejo, pagode, funk, entre outros. Incorporar públicos de bairros afastados do centro-sul da cidade foi um dos objetivos do Tchanzinho Zona Norte, estreante em 2013. Seus desfiles se dão ao som de clássicos do axé de bandas comerciais como É o Tchan e Asa de Águia.

"É uma brincadeira com esse tipo de repertório, que muitas vezes sofre uma desvalorização. Fazemos uma abordagem irônica e divertida", diz Rodrigo Picolé, regente do bloco que deve receber 20 mil pessoas.

Essa, no entanto, não foi a única questão que motivou a criação do Tchanzinho Zona Norte. Seus integrantes defendiam a descentralização da folia. "Queríamos fazer um desfile um pouco mais distante da região Centro-Sul, onde o carnaval acontecia majoritariamente e onde os blocos reúnem em grande parte a classe média", diz Rodrigo Picolé.

O Tchanzinho Zona Norte foi apenas uma das muitas iniciativas que levaram moradores da cidade a conhecer novos bairros e regiões. No carnaval deste ano, o Barreiro é a única das nove regionais de Belo Horizonte que não possui blocos cadastrados na Belotur.

Também buscando estimular a descentralização do carnaval, o bloco Filhos de Tcha Tcha organizou, em 2015, um desfile na Ocupação Izidora. Na comunidade que surgiu em 2013, vivem 8 mil famílias constantemente ameaçadas de despejo. "Aqui tem família, trabalhador, crianças. O bloco ajuda a mostrar para a cidade que nós existimos e não precisamos ser tratados com preconceito", diz uma moradora não identificada em entrevista ao documentário BH no Ritmo da Luta, produção da cineasta Dandara Andrade que aborda o ressurgimento dos blocos de rua na capital mineira.

Marchinhas

Com o crescimento, o carnaval da cidade é desfrutado por públicos diversificados, muitas deles alheios a esta história. Mas diversos foliões seguem se mobilizando contra medidas que consideram restritivas em relação à ocupação do espaço público. No ano passado, às vésperas do carnaval, o alvo foi uma nova medida assinada pelo ex-prefeito Márcio Lacerda, que entrava em seu último ano de governo. O Decreto 16203/2016 proibia "o uso de recipientes de refrigeração ou similares, churrasqueiras, grelhas, assadeiras e utensílios que gerem fogo ou chamas em logradouros públicos, exceto quando devidamente licenciados".

Imediatamente foi convocado o Churrascão e Isoporzaço, que reuniu centenas de pessoas na Praça da Estação. Uma marchinha intitulada Prefeito, Libera o Cooler ganhou as redes sociais. A pressão levou à revogação do decreto, que durou apenas sete dias.

A produção de marchinhas politizadas e sarcásticas é outro ingrediente do carnaval de Belo Horizonte. Desde de 2012, a produtora Cria Cultura realiza o esperado Concurso Mestre Jonas. "O evento entrou no calendário da cidade. Já fica todo mundo esperando pela marchinha vencedora", diz o folião Guto Borges. Ele é integrante de diversos blocos, incluindo o pioneiro Tico Tico Serra Copo, e também um dos compositores de Imagina na Copa, marchinha vencedora em 2013 que aborda conflitos sociais decorrentes da realização Copa do Mundo no Brasil, como as desapropriações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos