Desde o início do ano, 70 pessoas foram presas por pichação na capital paulista

Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil

Seis pessoas foram detidas na capital paulista acusadas de pichação desde a última sexta-feira (10) até ontem (12). Segundo a Prefeitura de São Paulo, a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana já efetuaram neste ano, no total, 70 prisões de pessoas que escreviam ou pintavam sem autorização imóveis públicos ou privados.

Os casos do fim de semana envolveram três homens e três mulheres e foram registrados em cinco ocorrências nas regiões da Barra Funda (zona oeste), Casa Verde (norte), Belenzinho (leste) e no centro da cidade. Todos foram levados à delegacia e liberados após assinarem termos circunstanciados (registro de ocorrências com menor potencial ofensivo).

O comunicado da administração municipal diz ainda que estão sendo movidas ações civis públicas contra os pichadores para que eles "sejam condenados a ressarcir os danos causados ao patrimônio público".

Grafiteiro preso

No último dia 28 de janeiro, o grafiteiro Mauro Neri foi preso enquanto removia a tinta cinza utilizada por agentes da prefeitura para apagar uma de suas obras. O artista é conhecido pelas diversas pinturas feitas pela capital com a assinatura Veracidade. O trabalho de Mauro foi um dos apagados durante a ação da prefeitura que encobriu uma série de intervenções e murais na região da Avenida 23 de Maio, zona sul paulistana.

Alguns dias depois, em 1º de fevereiro, o grafiteiro foi convidado pelo vereador Eduardo Suplicy (PT) para comparecer à sessão plenária da Câmara Municipal em que estava prevista a votação do Projeto de Lei 65 de 2005, que cria o Disque Pichação.

Na ocasião, Mauro criticou a forma como vem sendo conduzido o debate sobre arte urbana na cidade. "Precisamos lidar melhor com as diferenças, porque a denominação do que é grafite e pichação tem ocorrido principalmente para atribuição de valores. Ou seja, quando se gosta se chama de grafite, quando se gosta muito se chama de mural e quando não se gosta se chama de pichação", ressaltou, em seu depoimento na Casa.

O artista defendeu um diálogo mais aprofundado sobre o tema. "Precisamos de mais escuta, e trabalhar nisso de uma forma mais antropológica e com potencial dos espaços públicos voltado para a educação e formação de opinião", acrescentou.

Disk Pichação

A proposta do Disk Pichação foi aprovada pela Câmara Municipal em primeira votação na noite de última sexta-feira (10). O projeto cria um canal de atendimento telefônico para receber denúncias de pichação.

Na justificativa do projeto, o autor, vereador Adilson Amadeu (PTB), argumenta que o serviço vai possibilitar que os pichadores sejam apanhados antes mesmo de atuar. "Com esse serviço, daremos uma oportunidade direta e rápida à população de contribuir com sua cidade, denunciando esses pichadores, até mesmo antes do cometimento da pichação ou no seu inicio", diz o texto.

Para entrar em vigor, a proposta precisa ser aprovada em uma segunda votação. Antes disso, podem ser incluídos pontos, como os defendidos pelo prefeito João Doria, de multa de R$ 5 mil ou restrição da venda de tinta spray.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos