Apreensões de drogas no Rio triplicaram entre 2008 e 2015

Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil

Entre 2008 e 2015, o número de registros de ocorrência de apreensões de drogas no Rio triplicou e superou 28 mil ocorrências no último ano desse período. O dado consta do relatório Panorama das Apreensões de Drogas no Rio de Janeiro, divulgado hoje (15) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Para o órgão, o resultado mostra que as apreensões, especialmente, as referentes ao tráfico, estão crescendo no estado, como também, o montante de massa de maconha e cocaína recolhido nas ruas e retirada do mercado.

O relatório avaliou as apreensões por meio de estatísticas descritivas e as qualificou, nos registros, conforme cada uma das modalidades: por posse ou por uso; tráfico; e apreensão de drogas sem autor. A metodologia se repete nas avaliações da massa dos considerados três principais tipos de droga: maconha, cocaína e crack, que tem o mesmo princípio ativo da cocaína e se diferencia pelo modo de consumo e substâncias secundárias.

De acordo com o documento, em 50% das ocorrências em 2015 foram apreendidos até 10 gramas de maconha. Quando os valores são distintos, são verificados por modalidade de ocorrência. As apreensões de maconha por tráfico tiveram uma média de 56 gramas, enquanto as sem autoria ficaram em 70 gramas e nos casos de posse não passaram de dois gramas. Em cerca de 400 ocorrências houve apreensão,  no total, de 94 toneladas de maconha. O número sobe quando se tratava de cocaína. Em 500 casos foram recolhidas chegaram a quase cinco toneladas. Também em 2015, 50% das ocorrências foram consideradas como tráfico e 43% como posse.

O relatório aponta ainda que entre os três tipos de drogas mais apreendidas, a maconha é a mais representativa, um reflexo do maior consumo. No período de estudo entre 2010 e 2016, as apreensões aumentam a cada ano dessa série histórica. As apreensões de cocaína também apresentaram ascensão, mas em menor valor absoluto. Já o crack se manteve estável com cerca de 200 casos mensais.

Massa das drogas

Para o ISP, o aumento nos casos de maconha e de cocaína pode explicar a alta no recolhimento das massas de drogas retiradas do mercado nos últimos anos. A massa da maconha atingiu 22 toneladas em 2015, valor quatro vezes maior que em 2012. O recorde, no entanto, foi no ano de 2010, quando foram apreendidas 42 toneladas da droga.

De acordo com o relatório, este foi um ano atípico porque ocorreu um evento específico, que foi a ocupação do Complexo do Alemão pelas forças de segurança do estado do Rio. Em novembro desse ano, foram recolhidas 35 toneladas de maconha. Depois disso foram necessários quase quatro anos para atingir valor semelhante. Entre dezembro de 2010 e outubro de 2014 foram apreendidas 36 toneladas de maconha.

As apreensões de massa de cocaína mais que dobrou em 2015, chegando ao total de duas toneladas e 300 quilos em 2015, enquanto em 2010 foram apreendidos 900 quilos. A estabilidade nas apreensões da massa e nos casos de crack, segundo o ISP, pode indicar que não há epidemia da droga no estado do Rio.

De acordo com o ISP, os dados incluídos no relatório se referem aos registros de ocorrência das apreensões de drogas da Polícia Civil do Rio de Janeiro, e aos laudos periciais feitos pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), que atesta a presença de substâncias ilícitas e sua quantidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos