Trump defende nacionalismo e diz que representa os EUA, não o mundo

Leandra Felipe - Correspondente da Agência Brasil

A militante conservadora Martha Stamp assiste ao discurso de Donald Trump na 44a convenção anual da CPACAgência LUSA -EPA/SHAWN THEW

"Eu não estou representando o globo, estou representando o nosso país". Com esta afirmação, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, arrancou aplausos ao participar nesta sexta-feira (24), como orador, da 44a Convenção Anual da Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em ingês), em Oxon Hill, Maryland . Na oportunidade, ele manteve a linha nacionalista, voltou a chamar a imprensa de inimiga e defendeu seu plano anti-imigração.

A CPAC é considerada o evento mais importante para os republicanos e demais conservadores do país. Na edição do ano passado Trump foi criticado, na época da pré-campanha eleitoral, mas agora foi prestigiado ao ser escolhido como orador. Segundo a imprensa norte-americana, a última vez que um presidente foi convidado para a CPAC no primeiro ano de seu mandato foi em 1981, com Ronald Reagan.

No discurso, Trump reforçou suas promessas de construir um muro no México e endurecer as diretrizes sobre deportação de imigrantes irregulares. Ele voltou a enfatizar o seu slogan de campanha "Make America Great Again" (Tornar a América Grande de Novo), mas pontuou que isso será para os "cidadãos do país em primeiro lugar".

Participantes prestam o Juramento à Bandeira (Pledge of Allegiance) na convenção da CPAC em MarylandAgência Lusa - SHAWN THEW - EPA

Sobre a imprensa, o presidente disse que alguns meios de comunicação se prestam ao papel de divulgadores de "notícias falsas" (fake news). E disse que há repórteres honestos, mas muitos são mentirosos. "Eles são inimigos do povo", comentou, referindo-se pela terceira vez publicamente à imprensa e aos jornalistas do país. Trump criticou ainda o uso do anonimato e falou que as fontes devem ser nomeadas ao serem usadas pela imprensa.

FBI

Pela manhã, antes da convenção, Trump havia criticado o FBI (a polícia federal americana), pelo vazamento de informações à mídia no Twitter. Ele escreveu que o órgão  é "incapaz" de evitar a ação de pessoas de dentro da instituição que fazem chegar informações até a imprensa.

Na visão do magnata republicano, o vazamento de informações é um problema para a segurança do país. Em um dos últimos episódios de material investigado pelo FBI e publicado pela imprensa, o The New York Times teve acesso a um relatório com investigações sobre o contato de assessores da campanha eleitoral de Trump com funcionários do governo russo, um ano antes das eleições.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos