PUBLICIDADE
Topo

Aposentado ferido em protesto na 4ª fará cirurgia para reconstituir maxilar

Barricada montada perto do Ministério da Agricultura - Bernardo Barbosa/UOL
Barricada montada perto do Ministério da Agricultura Imagem: Bernardo Barbosa/UOL

Ivan Richard Esposito

Da Agência Brasil

27/05/2017 20h31Atualizada em 28/05/2017 08h59

Ferido no rosto por um disparo de arma de fogo durante o protesto ocorrido na última quarta-feira (24), o aposentado Carlos Geovani Quirino passará por uma cirurgia de reconstituição do maxilar. Segundo o filho dele, o segurança Geovanni Luiz Quirino, o pai está sendo mantido em coma induzido e respira com a ajuda de aparelhos.

Depois de quase três dias sem informações detalhadas sobre o estado de saúde do aposentado, a família recebeu neste sábado (27) um relatório completo dos médicos que acompanham Quirino no Hospital de Base. Eles receberam a confirmação de que o projétil não atingiu a faringe nem a coluna cervical.

"Apesar da situação dele, o bom é que fomos informados sobre a parte clínica. Tivemos uma boa resposta. Saímos de lá mais tranquilos. Estávamos aflitos com a falta de informações", disse o filho, que viajou de Belo Horizonte a Brasília com um irmão e uma prima para acompanhar a situação do pai.

Segundo o filho, os médicos informaram que o pai foi atingido no lado direito do rosto por um projétil, que está alojado entre o maxilar e a nuca. Inicialmente, segundo ele, a bala não será retirada.

De acordo com ele, o relatório repassado à família hoje pelo Hospital de Base será enviado a médicos na capital mineira para analisar a possibilidade de transferência do pai. "Lá, ele vai estar mais próximo da família", explicou.

Ao todo, 49 pessoas que estavam na Esplanada dos Ministérios durante o confronto entre policiais e grupos de manifestantes mascarados receberam atendimento médico. Quatro precisaram ser internadas, entre elas um estudante de 21 anos que perdeu três dedos da mão direita ao lançar um artefato em direção a um policial.

Prédio do Min. da Ciência e Tecnologia tem rastro de destruição

UOL Notícias