Exposição traça paralelo entre Morro da Providência e a Guerra de Canudos

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

Os 120 anos de criação do Morro da Providência, primeira favela do Brasil, são contados na exposição fotográfica "Morro da Favela à Providência de Canudos", de autoria do fotógrafo autodidata Maurício Hora, morador daquela comunidade do Rio de Janeiro, situada entre os bairros de Santo Cristo e Gamboa, região da zona portuária da capital fluminense.

A mostra traça um paralelo entre o Morro da Providência e a Guerra de Canudos, na Bahia, e ficará aberta ao público até o dia 14 de julho, no Espaço Cultural do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no centro da cidade.

A origem do atual Morro da Providência remonta a 1897, quando soldados que combateram na Guerra de Canudos, na Bahia, e que sobreviveram àquele episódio foram trazidos para o Rio de Janeiro. Aqui, sem ajuda do governo, começaram a improvisar habitações na encosta do morro. O povoamento ficou conhecido como Morro da Favela, referência não só ao morro existente em Canudos e de onde os soldados atacavam os fanáticos religiosos liderados pelo beato Antônio Conselheiro, mas também ao arbusto "faveleira" (Cnidoscolus quercifolius), comum no sertão baiano.

O fotógrafo Maurício Hora esteve várias vezes no antigo vilarejo de Canudos, na Bahia, onde retratou as ruínas do povoado liderado por Antônio ConselheiroAcervo pessoal/Maurício Hora/direitos reservados

Maurício Hora começou a desenvolver o projeto que refaz a ligação entre Canudos e o Morro da Providência em 2013, quando a seca que assolou o sertão baiano reduziu o nível da água do açude construído em cima do antigo vilarejo de Antônio Conselheiro e revelou ruínas daquele cenário de guerra. Ao mesmo tempo, no Rio de Janeiro, ocorriam obras de revitalização da zona portuária, afetando o dia a dia dos moradores da Providência. "Nasci no Morro da Providência. Isso sempre me perseguiu", disse Hora à Agência Brasil, referindo-se à vontade de traduzir em fotografias as semelhanças entre as duas realidades.

Favelização

Maurício Hora explicou que, quando começou o processo de ocupação do Morro da Favela, o termo "favela" não tinha a conotação de habitação que tem atualmente. "O nome para denominar habitação surgiu aqui", conta. O fotógrafo já esteve cinco vezes em Canudos, para retratar as ruínas. Ele considera que tanto Canudos como Providência contam uma história de luta. "São dois focos muito resistentes". Em Canudos, os habitantes preservam uma memória viva da história, o que não ocorre no Morro da Providência. "Aqui, nós perdemos toda a memória", lamentou.

Embora não tenha a pretensão de reativar com seu trabalho a memória no Morro da Favela, Maurício Hora disse que a ideia é que as pessoas que, assim como ele, são faveladas tenham consciência do que são, "que favela não é tão pejorativo". Para ele, favela é apenas o Morro da Providência. "As outras, para mim, são comunidades. Favela é a Providência".

Para o fotógrafo, não só os jovens habitantes do Morro da Providência precisam conhecer a história do local e suas origens, mas todo o Brasil precisa saber o que foi a Guerra de Canudos. "Eu melhorei minha vida a partir do momento em que comecei a contar minha história".

Maurício acredita que a Providência é uma favela de resistência que está hoje dentro de um território quilombola, a Pedra do Sal, que vai da Praça Mauá até o Caju, na zona portuária, denominada Pequena África. "Eu acho, sim, que o jovem da Providência devia conhecer a história. Mas não só da Providência; do Brasil todo".

As cerca de 300 fotos de autoria de Maurício Hora poderão ser apreciadas pelo público de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, exceto feriados. A entrada é gratuita.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos