Escola que ensina balé no Rio pode fechar por falta de patrocínio

Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil

Após 25 anos de dedicação à inclusão social de crianças carentes do Rio de Janeiro por meio do balé, o projeto Dançando para Não Dançar corre o risco de fechar as portas a qualquer momento. Com a perda do patrocínio da Petrobras Distribuidora, encerrado em maio, depois de 19 anos de apoio, a iniciativa, que já atendeu mais de 1,5 mil crianças, atualmente enfrenta dificuldades para manter as aulas para 180 alunos.

Das 20 unidades, sobraram a sede, no centro do Rio, e poucos espaços em algumas comunidades. Dos quase 30 funcionários, ficaram menos de dez. Por falta de profissionais, as parcerias com creches e escolas localizadas em comunidades pobres do estado foram suspensas.

O patrocínio de R$ 30 por criança cobria as aulas e ainda equipe disciplinar, desde dentista, psicólogo, fonoaudiólogo, nutricionista ao pessoal administrativo, além das apresentações de fim de ano.

Idealizadora e coordenadora do projeto, a bailarina Thereza Aguilar iniciou uma campanha online para, pelo menos, conseguir pagar as contas e os salários dos professores, cerca de R$ 10 mil por mês.

"A arte é um grande mecanismo de transformação social, é através dela, da educação, que conseguimos mudar algo. Quero que essas crianças tenham mais informações para termos um Brasil melhor", disse. "Não vou me acomodar e não vou baixar a cabeça, nem que eu tenha que recomeçar do início, dando aula sozinha como fazia antes", afirmou Thereza.

História iniciada em 1994

Desde 1994, bailarinos de diferentes favelas cariocas já passaram pelo projeto, pelo menos 20 mil crianças e adolescentes descobriram o balé como forma de expressão e superação. Tereza perdeu a conta dos vários talentos que hoje fazem parte de grandes companhias de dança internacionais.

A bailarina Ingrid Silva começou na escola aos 8 anos, no Morro da Mangueira, zona norte da cidade, onde morava. Agora, em Nova York (EUA), integra a companhia de balé do Harlem. Em sua página no Facebook - https://www.facebook.com/ingrisilvaartist/ - ,ela faz um apelo para que pessoas façam doações ao projeto.

"É um trabalho de formiguinha, mas ele transformou muita coisa, pois o sofrimento social neste país é muito grande. Do que eu vejo aqui, meu trabalho é pequeno, mas tem tido grandes resultados", completou a fundadora do programa.

As informações para doações podem ser acessadas no site da escola http://www.dpnd.org/ ou pela página no Facebook do projeto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos