Ex-diretor do FBI diz ter certeza de que a Rússia tentou interferir nas eleições

Paola De Orte - Correspondente da Agência Brasil

O ex-diretor do FBI (a Polícia Federal norte-americana), James Comey, disse hoje (8) que não tem dúvidas de que a Rússia tentou interferir nas eleições de 2016, mas que tem confiança de que os votos depositados durante o processo não foram alterados.

Ele presta depoimento no Comitê de Inteligência do Senado norte-americano sobre a investigação que conduzia, a respeito das relações entre a Rússia e equipe do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas eleições de 2016.  Comey deixou as investigações até ser demitido por Donald Trump no dia 9 de maio.

O depoimento público acontece pela manhã e, à tarde, Comey conversa a portas fechadas com os senadores. No início do depoimento, o ex-diretor disse que o FBI é independente e sempre deverá ser. Ele também lamentou ter deixado o cargo sem poder se despedir dos colegas.

Ontem, Comey divulgou o testemunho que iria apresentar hoje ao Senado. Ele diz que Trump pediu para que ele "deixasse de lado" uma investigação que conduzia acerca de contatos do ex-assessor de Segurança Nacional Michael Flynn com oficiais russos. No mesmo depoimento, ele também afirma que Trump teria pedido a ele ajuda para tirar a "nuvem" que atrapalhava seu governo, que seria a investigação sobre a interferência russa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos