Procurador-geral dos EUA testemunhará no Senado sobre interferência russa

Da EFE

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, comparecerá na próxima terça-feira (13) perante o Comitê de Inteligência do Senado para responder ao testemunho do ex-diretor do FBI, James Comey, sobre a interferência russa nas eleições presidenciais americanas de 2016. As informações são da Agência EFE. 

"À luz das informações que concernem ao recente testemunho de Comey perante o Seleto Comitê de Inteligência do Senado, é importante que tenha uma oportunidade de abordar esse assunto no foro apropriado", anunciou Sessions em comunicado.

O procurador já compareceria perante um subcomitê do Senado na terça-feira, mas os legisladores democratas anteciparam que aproveitariam a ocasião para lhe perguntar sobre seus contatos com o governo russo e sobre o seu papel na investigação da suposta interferência da Rússia.

"Previamente aceitei um convite para testemunhar em nome do Departamento de Justiça perante os subcomitês de Dotações da Câmara e o Senado sobre o orçamento do Departamento para 2018", explicou Sessions.

"Alguns membros expressaram publicamente a sua intenção de concentrar suas perguntas em assuntos relacionados à investigação da interferência russa nas eleições de 2016, da qual eu me recusei", acrescentou.

Sessions argumenta que o Comitê de Inteligência do Senado é o foro "mais apropriado" para "esse assunto", "já que esteve fazendo uma investigação e tem acesso a informações relevantes e classificadas".

Por isso, indica, está satisfeito em "aceitar o convite para comparecer perante os membros desse comitê em 13 de junho".

O vice-procurador-geral dos EUA, Rod Rosenstein, o substituirá em seu depoimento com os subcomitês de Dotações de ambas a câmaras.

Segundo a imprensa local, Comey disse ao Comitê de Inteligência do Senado em uma sessão a portas fechadas que Sessions pode ter tido uma terceira reunião - até agora desconhecida - com o embaixador russo nos EUA, Sergei Kislyak.

Sessions se defendeu na última quinta-feira do testemunho aberto de Comey e assegurou que se desligou da investigação russa "apenas" pela sua participação na campanha do agora presidente, Donald Trump.

Assim, o Departamento de Justiça contradisse em um comunicado a versão dada por Comey, que sugeriu que Sessions deixou a investigação russa em 2 de março devido à sua participação em uma série de fatos, que por serem sigilosos, não revelou perante o público. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos