Banco asiático de infraestrutura pode investir em projetos em outros continentes

Ana Cristina Campos - Repórter da Agência Brasil *

Sediado em Pequim, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (Asian Infrastructure Investment Bank - AIIB, na sigla em inglês) já emprestou US$ 2,5 bilhões para 16 projetos de infraestrutura desde que entrou em operação, há 18 meses. Apesar do foco da instituição multilateral ser a região asiática, o AIIB pode apoiar no futuro projetos em outros países se houver conexão com a Ásia, informou o vice-presidente de Políticas e Estratégias do banco, Joachim von Amsberg.

"Nossa missão é fazer investimentos para o desenvolvimento da Ásia, mas [isso] nos permite investir fora da região para promover o crescimento econômico asiático. Podemos investir em projetos em países não regionais se ele se conectarem à Ásia", disse Amsberg, em entrevista a jornalistas latino-americanos e asiáticos, na sede do banco.

O executivo citou como exemplo possíveis investimentos em portos e ferrovias na África e na América Latina para melhorar a infraestrutura relacionada ao seu comércio com a Ásia.

A coordenadora de Comunicação do AIIB, Laurel Ostfield, acrescentou que membros não regionais aderiram ao banco não só pelo interesse de obter empréstimos para projetos de infraestrutura, mas também devido à importância das economias asiáticas atualmente. "Eles [países não asiáticos] querem fazer parte do processo de tomada de decisão e de governança do AIIB e ter uma voz na mesa", disse ela.

Participação global

O AIIB foi proposto em 2013 pela China, que é o maior acionista, com uma participação de cerca de 30% do capital. Outras nações asiáticas detêm aproximadamente 75% das ações do banco, que foi fundado com 57 países, entre eles o Brasil, que ainda não ratificou contudo o instrumento de adesão. Com capital de US$ 100 bilhões, a instituição multilateral conta atualmente com 80 países, entre eles europeus, africanos e latino-americanos.

Segundo o vice-presidente de Políticas e Estratégias do AIIB, o banco foi criado para ajudar a suprir a enorme demanda de recursos para investimento em infraestrutura no continente asiático, que já não podia ser contemplada pelas instituições existentes, como o Banco Mundial e o Banco Asiático de Desenvolvimento (criado pelo Japão). "São necessários US$ 1,7 trilhão em investimentos na infraestrutura por ano na Ásia e o que tem sido investido talvez seja metade desse valor", disse.

O executivo destacou que as prioridades do AIIB são projetos voltados para o desenvolvimento sustentável e que ajudem a combater o aquecimento climático por meio de energias renováveis; a conectividade entre os países através de rodovias, ferrovias e portos para integrar as economias e o comércio, além da atração de capital privado para a infraestrutura por meio da redução de riscos dos empreendimentos.

Amsberg ressaltou que os projetos governamentais ou do setor privado apoiados pelo banco precisam seguir alguns critérios, como não prejudicar o meio ambiente nem as comunidades e tampouco criar oportunidades para a corrupção. "Os projetos aprovados têm que ter alta qualidade e atender a requisitos de proteção ambiental e social e prevenção de corrupção".

*A repórter está em Pequim a convite do Centro de Imprensa China-América Latina e Caribe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos