BNB renegocia dívidas de produtores de municípios em situação de emergência

Edwirges Nogueira - Repórter da Agência Brasil

Produtores rurais de municípios do Semiárido em situação de emergência ou de calamidade por causa da seca poderão renegociar suas dívidas com o Banco do Nordeste (BNB). Uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelece que as operações de crédito pendentes contratadas entre 2012 e 2016 terão prazo de pagamento estendido até 2030 e carência até 2021.

A medida abrange cidades do Nordeste e dos nortes de Minas Gerais e do Espirito Santo, que fazem parte da área de abrangência do banco. Estima-se que mais de mil municípios estão em emergência ou calamidade em decorrência dos efeitos da estiagem.

Segundo o diretor Financeiro e de Crédito do Banco do Nordeste, Romildo Carneiro Rolim, uma lei anterior, editada em 2016, permitiu a renegociação de dívidas de agricultores e pecuaristas contratadas até 2011. No entanto, a seca tomou contornos severos nos últimos seis anos, provocando mais perdas para os produtores rurais.

"A resolução tem uma lógica de ganha-ganha e é um instrumento de governo feito para resolver a condição do cliente, aquele produtor que passou por adversidades climáticas ou produtivas e não teve condições de pagar sua dívida. Ele terá como pagá-las a partir de agora e limpar seu nome para poder contratar novas operações de crédito."

Dentro das condições estabelecidas pelo CMN, a renegociação de dívidas abrange 1,3 milhão de operações de crédito, que somam R$ 12 bilhões. Cerca de 95% desses créditos foram concedidos para agricultores familiares e mini ou pequenos produtores.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos