Exposição apresenta olhar contemporâneo de fotógrafos que usam técnicas antigas

Paulo Virgílio - Repórter da Agência Brasil

O mundo de hoje é marcado pela profusão de imagens geradas a todo momento pelos aparelhos celulares e pela facilidade da difusão do conteúdo fotográfico pelas redes sociais e outras mídias contemporâneas. Nesse contexto atual, nada é mais contrastante do que a produção de imagens com técnicas históricas, que remontam aos primórdios da fotografia.

Mostrar que o uso de técnicas antigas pode estar a serviço da criação contemporânea é a proposta da exposição Artesania Fotográfica - a construção e a desconstrução da imagem, inaugurada no início da noite dessa terça-feira (1º), no Espaço Cultural BNDES, no centro do Rio. Sob a curadoria da pesquisadora Marcia Mello, a mostra reúne obras de sete fotógrafos brasileiros que usam processos alternativos de impressão de imagem.

Os trabalhos selecionados pela curadora abordam temáticas recorrentes ao universo fotográfico, como retratos, paisagens, objetos, vegetais. Os resultados obtidos por Ailton Silva, Cris Bierrenbach, Francisco Moreira da Costa, Mauro Fainguelernt, Ricardo Hantzschel, Roger Sassaki e Tiago Moraes surpreendem, no entanto, pela forma transgressora com que abordam esses temas clássicos.

Pesquisadora com larga experiência na curadoria de exposições de arte fotográfica, Marcia Mello tem um interesse antigo pela produção de imagens no século 19 e pela forma como a fotografia se expandiu pelo mundo, antes do surgimento das grandes indústrias do ramo, como a Kodak. "Essa fase, pelo fato de ser mais artesanal, foi um período muito rico, pela variedade de suportes empregados antes do aparecimento do papel fotográfico, como o vidro e o metal", disse.

Por causa desse interesse, Marcia começou a formar uma pequena coleção de fotos antigas e também foi conhecendo fotógrafos contemporâneos que pesquisavam essas formas anteriores de produzir imagens. "E aí, tive a ideia de reunir em uma exposição esses fotógrafos, que apesar de utilizarem técnicas antigas têm uma estética, um olhar contemporâneo", contou.

A exposição inclui equipamentos, instrumental e produtos químicos, buscando trazer ao público um pouco do mundo do laboratório e do estúdio dos fotógrafos. Também estão em exibição alguns exemplares fotográficos históricos para uma comparação entre a produção atual e a dos séculos anteriores.

É o que a curadora chama de "alquimia da fotografia artesanal" e que, segundo ela, funciona como um contraponto ao universo atual das imagens. "Eu acho que o mundo digital trouxe ferramentas importantes, libertou a fotografia de alguns dogmas. Você hoje tem ferramentas que podem transformar a imagem com muito mais facilidade do que na era analógica. No entanto, tudo é feito por meio da máquina. A fotografia artesanal recupera a alquimia, incorpora o erro, que passa a fazer parte da linguagem", comentou.

A exposição faz ainda uma homenagem à fotógrafa carioca Regina Alvarez (1948-2007), pioneira na retomada do uso de técnicas alternativas de produção e impressão de fotografia no Brasil nos anos 1970, com a exibição de documentos, anotações pessoais e trabalhos de sua autoria. Artesania fotográfica - a construção e a desconstrução da imagem fica aberta ao público até 22 de setembro e pode ser vista de segunda a sexta, das 10 às 19h, com entrada grátis.

O Espaço Cultural BNDES fica na Avenida Chile, 100, no centro do Rio.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos