PUBLICIDADE
Topo

MP faz duas ações para prender suspeitos de fraudes no estado do Rio

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

31/08/2017 09h35

O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro cumpre hoje (31) mandados de prisão contra suspeitos de participação em esquemas de corrupção e fraude em dois municípios no estado do Rio de Janeiro. A Operação Flexus busca prender cinco suspeitos de fraudar licitações na prefeitura de Guapimirim, enquanto a Operação Asfalto Sujo II cumpre três mandados de prisão preventiva contra acusados de corrupção no posto do Detran, em Magé. Entre os alvos da Operação Flexus estão dois ex-prefeitos de Guapimirim e um oficial da Polícia Militar. Os ex-mandatários são suspeitos de contratar, por meio de licitações fraudulentas, a organização não governamental (ONG) Casa Espírita Tesloo, para fornecimento de mão
de obra terceirizada. Nos dois mandatos, a ONG recebeu mais de R$ 84 milhões em contratos, mas não há provas de que os funcionários contratados trabalhassem para a ONG ou para a prefeitura. Fraudes no Detran Já a Operação Asfalto Sujo II resultou na denúncia de 24 pessoas à justiça, por corrupção e fraudes em um posto de vistoria do Detran-RJ, no município de Magé. Estão sendo cumpridos três mandados de prisão preventiva e 45 de busca e apreensão. Os acusados foram denunciados por organização criminosa, corrupção ativa e passiva e inserção de dados falsos em sistema público informatizado, praticados entre abril de 2013 e outubro de 2014. Segundo investigações da Polícia Civil, funcionários e ex-funcionários denunciados produziam e emitiam documentos públicos falsos referentes a vistorias de veículos irregulares e transferências de propriedade, entre outros serviços prestados pelo Detran. Todos recebiam parte da propina ao longo da tramitação dos procedimentos. Entre os alvos dos mandados de prisão figura um ex-secretário municipal de Habitação e Urbanismo de Magé, apontado pela denúncia como um dos líderes do esquema por nomear pessoas de confiança e receber pela arrecadação das atividades ilícitas, e um ex-secretário de governo.