Incêndio na Chapada poderá ser controlado até este final de semana

Mariana Tokarnia - Enviada especial

Fotos aéreas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros após incêndioValter Campanato/Agência Brasil

O incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros poderá ser controlado até este final de semana, segundo expectativa das brigadas que atuam combatendo o fogo no local. Hoje (25), representantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), de bombeiros do Distrito Federal e de Goiás e voluntários receberam a visita dos ministros do Meio Ambiente, Marcelo Cruz e da Defesa, Raul Jungmann.

Ao ser questionado se há previsão do controle das chamas, o coordenador de Prevenção e Comabate a Incêndios do ICMBio, Christian Berlinck, disse que há a possibilidade de controle até este final de semana, mas que as condições são imprevisíveis. O combate ao fogo no local é dificultado pela chamada reignação. Mesmo após as chamas desaparecerem, as altas temperaturas e o vento fazem com o que o fogo retorne em várias localidades e as equipes precisam refazer o trabalho.

Berlinck esclarece também que controlado não siginfica extinto e que é necessário ainda um trabalho pós-fogo para que ele não retorne. Segundo o coordenador, os equipamentos e o pessoal que hoje está atuando no combate direto, cerca de 200 pessoas, são suficientes. "Não adianta ter 40 pessoas atuando no mesmo local, elas ficarão muito próximas e terão a eficiência de 20 pessoas".

Um avião Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB) reforçou, desde ontem (24), o combate às chamas. A aeronave é equipada com um sistema de combate a incêndio constituído de dois tubos em sua porta traseira que, a uma altitude de cerca de 45 metros, podem despejar água nas áreas em chamas.

Segundo a força-tarefa, é importante que os esforços empregados continuem mesmo após o controle e extinção do fogo, quando serão necessário também recursos para a recuperação, atendimento de animais, entre outras ações.

Incêndio criminoso

Pela análise da propagação e do surgimento dos focos de incêndio, há fortes hipóteses de que o fogo tenha sido colocado propositalmente. "Se exitem suspeitas, tem que ser investigado, é crime federal, é crime contra o meio ambiente. Os culpados têm que ser punidos e postos na cadeia, até para dar exemplo que meio ambiente não se destrói, meio ambiente se cuida e se preserva", diz Jungmann.

O ministro do Meio Ambiente, Marcelo Cruz, diz que a pasta já solicitou ao Ministério da Justiça uma investigação por parte da Polícia Federal. "A Polícia Federal tem que entrar, por dever de ofício. Eles têm que fazer por uma incumbência institucional [uma vez que o parque é uma reserva federal]. A gente só reiterou o pedido diante da magnitude do evento.

Este é o maior incêndio de toda a história do Parque Nacional. Mais de 60 mil hectares já foram atingidos pelo fogo.

Devido a importância de sua biodiversidade, a unidade de conservação foi ampliada em junho e de 65 mil hectares passou a ter 240 mil. O parque é refúgio de espécies ameaçadas de extinção ou endêmicas (só existem no local), como o cervo-do-Pantanal, lobo-guará, pato-mergulhão e a onça-pintada, maior mamífero carnívoro da América do Sul.

O Parque Nacional foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 2001.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos