Metroviários de São Paulo decidem fazer greve de 24h nesta quinta

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Limanr  do  TRT-SP  determina  manutenção

de efetivo de 80% do serviço em horários de

 picorovena Rosa/Arquivo/Agência Brasil

Os metroviários de São Paulo decidiram, em assembleia, entrar em greve nesta quinta-feira (18). A paralisação, que começa à meia-noite de hoje (17), deve durar 24 horas. Segundo o Sindicato dos Metroviários, a greve é um protesto contra a privatização das linhas 5-Lilás do metrô e 17-Ouro do monotrilho.

"É uma greve para denunciar um processo deturpado, viciado, que favorece determinados grupos econômicos. Nós queremos denunciar e dizer: os metroviários estão parando contra a privatização, em defesa dos direitos da categoria, contra demissões, e principalmente em defesa de um transporte público estatal de qualidade, e que atenda aos interesses da população", disse o coordenador-geral do sindicato, Wagner Fajardo.

Em nota, a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) lamenta a decisão dos metroviários e diz que a paralisação vai prejudicar milhares de paulistanos. "O edital de licitação passou por ampla revisão do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, de 26/9 a 19/12/2017. Nesses 85 dias, o órgão solicitou apenas alteração em um item do edital, liberando-o, em seguida, para publicação. É importante ressaltar que todos os questionamentos foram julgados improcedentes", ressalta a nota do Metrô.

O Metrô destaca ainda que o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP) deferiu liminar determinando a manutenção do efetivo de 80% do serviço nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e de 60% nos demais períodos, sob pena de aplicação de multa ao Sindicato dos Metroviários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos