Estimativa de ocupação de até 90% no carnaval anima rede hoteleira do Rio

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

Para a rede hoteleira do Rio de Janeiro, o carnaval deste ano será bem melhor que o de 2017, disse hoje (31) o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional), Manoel Linhares. Segundo Linhares, o otimismo está relacionado à melhora dos indicadores econômicos no país.

"O turismo é um setor muito sensível, que impacta logo quando há uma crise. Mas quando a economia começa a melhorar, é o primeiro a mostrar pessoas viajando mais, executivos participando mais de agendas de negócios", explicou o executivo.

A expectativa é que a ocupação atinja 90% em alguns destinos, durante o carnaval, como ocorreu no Réveillon. É o caso de Salvador e do Recife. No Rio de Janeiro, a previsão oscila entre 85% e 90%. Mesmo na cidade de São Paulo, cuja rede hoteleira teve ocupação média de 30% durante o carnaval de 2016 e de 35% no do ano passado, a previsão é chegar este ano a 45% de reservas para o período. "O carnaval é a data mais importante para o turismo nacional em certas regiões", ressaltou Linhares.

Também para os viajantes que procuram lugares mais tranquilos para relaxar e ter mais contato com a natureza nesse período, a perspectiva para os hotéis é de crescimento da taxa de ocupação. No litoral paulista, por exemplo, as pesquisas sinalizam ocupação acima de 90%. Em Fortaleza, que no ano passado registrou média de reservas de 78,2%, a projeção é ultrapassar 85% no carnaval 2018, revelou Manoel Linhares.

Gargalo

Para o presidente da ABIH Nacional, o maior gargalo do turismo brasileiro ainda é a malha aérea. "Se tivéssemos bilhetes mais competitivos, tenho certeza de que a ocupação seria bem melhor. Fazer turismo interno é muito caro", afirmou Linhares.

Para ele, a redução da burocracia também contribuiria para incrementar o turismo. Um exemplo é a concessão, pelo Brasil, do visto eletrônico para turistas vindos dos Estados Unidos desde o dia 25 deste mês. A medida reduziu o tempo de concessão de 40 dias para 72 horas. "Os Estados Unidos são o segundo país, depois da Argentina, em termos de emissão de turistas para o Brasil". Linhares disse que não tem dúvida de que essa abertura vai puxar tanto o turismo de lazer quanto o de negócios no país.

O visto eletrônico já era concedido para turistas do Japão, do Canadá e da Austrália. "E agora, com os Estados Unidos, só tem a melhorar não só a ocupação da hotelaria, mas de toda a cadeia produtiva, que impacta 54 setores". A previsão é de aumento de 25% de visitantes americanos este ano no Brasil. "Se todo presidente, todo governador, todo prefeito olhasse para o turismo como essa indústria precisa ser vista, tenho certeza de que o Brasil hoje não estaria nessa crise, com tantos milhões de desempregados", afirmou.

Rio de Janeiro

De acordo com o Rio Convention & Visitors Bureau (Rio CVB), a capital fluminense recebe, em média, 250 mil turistas dos Estados Unidos por ano. Com o visto eletrônico (e-Visa), a previsão é aumentar em pelo menos 20% o número de visitantes.

"Para se ter uma ideia, apenas em 2016, a indústria do turismo injetou na economia da capital fluminense cerca de R$ 11,1 bilhões. Devemos lembrar que os americanos mantêm o quesito viagem em seu orçamento anual. O americano é um dos que mais gastam e permanecem mais tempo em seu destino de férias. Com a facilidade do visto eletrônico, a expectativa é aumentar em pelo menos 20% a entrada desses visitantes em nossa cidade e, por consequência, a receita deixada por eles", afirmou a presidente do Rio CVB, Sonia Chami.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro (ABIH-RJ) e do Sindicato dos Meios de Hospedagens do Município (SindHotéis Rio), Alfredo Lopes, também espera impacto positivo no setor este ano, porque os americanos representam, atualmente, o principal mercado emissor de turistas internacionais para os hotéis cariocas, correspondendo a 7% do total de hóspedes estrangeiros, seguidos dos argentinos, com 5%.

Da mesma forma, o presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves, afirmou que a concessão do visto eletrônico aos americanos vai incrementar o turismo na capital e no restante do estado. "Nossa expectativa é triplicar o volume de turistas americanos no Rio de Janeiro."

Já o presidente do Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio), Fernando Blower, destacou que a medida vai ao encontro do investimento de companhias aéreas em rotas que ligam Brasil e Estados Unidos e de um projeto aprovado na Câmara, no mês passado, que amplia o número de voos entre os dois países. "O turista de lazer é mais propenso a investir dinheiro no consumo de entretenimento, gastronomia e cultura", disse Blower.

Ele afirmou que as áreas mais turísticas da capital, como a Barra da Tijuca, os bairros da zona sul, como Copacabana e Ipanema, e do centro, como Santa Teresa, perceberão mais o aumento do movimento. "No momento em que damos os primeiros passos para nos recuperar da crise econômica, essa nova modalidade de visto é excelente", afirmou Blower. Ele acrescentou que toda política que visa facilitar a entrada de turistas no Brasil tem apoio do SindRio, "porque é importante para a cidade".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos