Inspeção em presídio no Ceará confirma que facção criminosa comanda unidade

Paulo Victor Chagas e Edwirges Nogueira - Repórteres da Agência Brasil

Menos de uma semana após a morte de dez presos da Cadeia Pública de Itapajé, uma inspeção realizada nesta quarta-feira (31) na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II) constatou a fragilidade dos agentes penitenciários ante a hegemonia de uma facção que domina os mais de mil internos do local. De acordo com Ruth Leite, representante do Conselho Penitenciário do Estado (Copen), que participou da visita, a unidade "não foi recuperada" completamente até hoje, desde 2016, quando uma série de rebeliões ocorreu no Ceará.

"Não houve recuperação física da estrutura. Houve gambiarra, paliativos. Quando os presos perceberam que ia começar uma reforma [no ano passado], quebraram de novo [as paredes]. Eles continuam soltos nas galerias", afirmou. No último fim de semana, 14 pessoas morreram durante uma festa na periferia de Fortaleza, nesta que foi considerada a maior chacina do Ceará. Dois dias depois, um conflito entre detentos da Cadeia Pública de Itapajé terminou com outras dez mortes.

Nessa terça-feira (30), o governo federal autorizou o envio de uma força-tarefa da Polícia Federal para auxiliar as forças de segurança do estado nos trabalhos de inteligência e combate aos crimes.

Segundo Ruth Leite, há apenas dez agentes penitenciários em cada plantão, responsáveis por cerca de 1.200 presos que se encontram atualmente na unidade. Em cada uma das seis galerias, os detentos circulam livremente, não sendo mais recolhidos em suas celas. Assim como outras penitenciárias, a CPPL II fica em Itaitinga, na região metropolitana de Fortaleza. De acordo com a representante do Copen, a inspeção foi agendada após o registro de boletins de ocorrência por parte dos agentes, que buscam se resguardar caso sejam responsabilizados por algum incidente na unidade prisional.

"A gente anda na unidade mas não consegue nem ver os presos, nem de longe, porque eles estão separados com portões chapados e a gente não consegue [entrar]. Ou seja, eles estão livres lá dentro para fazer o que quer", alertou a integrante do conselho. Segundo ela, os agentes penitenciários continuam fazendo os atendimentos técnicos, mas "nenhum projeto de ressocialização", a exemplo de escola para os detentos, funciona mais, porque "tudo ainda está destruído".

Guardiões do Estado

O presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores Públicos do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará, Valdemiro Barbosa, concorda com a necessidade de melhoria integral do sistema penitenciário. "Eles estão com o controle total da unidade. É a realidade da CPPL II hoje. É uma unidade que está toda danificada, não temos mais isolamento [dos presos]. Se o agente é desacatado, não tem como mais extrair o detento e levar ao isolamento, porque eles pertencem todos a uma mesma facção", disse, referindo-se ao grupo Guardiões do Estado (GDE), que comanda a penitenciária.

Lembrando dos pleitos encaminhados anteriormente ao governo do estado, como a contratação de novos agentes e mais investimentos nos presídios, Valdomiro Barbosa conta que os funcionários não têm equipamentos de segurança nem o armamento necessários para fazer os procedimentos de segurança. "A estrutura está danificada, a iluminação e o monitoramento também. Há vários pontos cegos. Com isso, o agente penitenciário está correndo o risco seríssimo de ter sua vida ceifada a qualquer momento", afirmou.

Procurada, a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará não respondeu à Agência Brasil até a publicação desta reportagem. Nessa segunda-feira (29), o governo do estado anunciou um plano de segurança em parceria com o Poder Judiciário do Ceará e o Ministério Público para concentrar ações de combate às facções criminosas na região.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos