Justiça decreta prisão preventiva de acusados da morte de delegado no Rio

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

O juiz Carlos Gustavo Vianna Direito, da 1ª Vara Criminal da capital, decretou a prisão preventiva de Diogo de Almeida da Silva e Wendel Luis Silvestre, acusados de envolvimento no homicídio do delegado Fábio Henrique da Silva Monteiro e tentativa de homicídio contra Mariana Andrade Gaspar, no dia 12 de janeiro deste ano, na localidade conhecida como Buraco do Lacerda, na comunidade do Jacaré, zona norte do Rio.

O policial era lotado na Cidade da Polícia, que fica perto da favela, e foi surpreendido por traficantes de drogas fortemente armados, quando cruzou o Buraco do Lacerda. Mariana, que estava no carro ao lado do delegado, reconheceu Diogo e Wendel como autores do crime. Ela conseguiu fugir com a ajuda de um casal que passava na hora do crime. Depois de matarem o delegado, os criminosos colocaram o corpo no porta-malas do carro da vitima e abandonaram o veículo nas proximidades do Jacaré.

De acordo com o juiz, a decretação da prisão preventiva é necessária não apenas para garantir a ordem pública, mas também para assegurar a aplicação da lei penal.

"Os crimes graves foram cometidos contra um delegado de polícia que, ao descer do veículo, foi abordado por homens que faziam a contenção do tráfico de drogas e foi alvejado por disparos de arma de fogo. Verifica-se que a liberdade dos acusados é um risco para a segurança pública e a população, além de representar flagrante e injustificável desrespeito à autoridade estatal e à ordem pública", afirma Vianna Direito na decisão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos