Topo

Em 6 meses, queda no desmatamento atinge 20%, diz ministro do Meio Ambiente

Andreia Verdélio - Repórter da Agência Brasil

05/04/2018 13h54

Ministro Sarney Filho disse que a queda no desmatamento é resultado da recomposição do orçamento dos órgãos de fiscalizaçãoMarcello Casal Jr/Agência Brasil O desmatamento ilegal continua caindo na Amazônia Legal, segundo disse hoje (5), em Brasília, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Após dois anos de aumento nas taxas de desmatamento, 2015 e 2016, em 2017 houve redução de 16% e agora, entre agosto de 2017 e janeiro de 2018, os levantamentos indicam uma queda de 20%. Entre agosto de 2016 e julho de 2017, a taxa estimada pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontou 6.624 quilômetros quadrados (km2) de corte raso, que é a eliminação de toda vegetação existente sobre a área. O resultado indicou uma diminuição de 16%  em relação a agosto/2015-julho/2016, quando foram apurados 7.893 km2 de desmatamento ilegal. Razões da queda no desmatamento Para Sarney Filho, a queda no desmatamento é resultado da recomposição do orçamento dos órgãos de fiscalização. "Temos um monitoramento online muito bom e temos recursos assegurados pelo orçamento do Ibama com o suplementado com o Fundo Amazônia. Então, hoje não há problema financeiro para promover o comando e controle na Amazônia", assegurou. Ele explicou que o desmatamento só é contido com fiscalização nas áreas afetadas. "O ideal será quando valorizarmos a floresta em pé. Quando em pé ela valer mais que derrubada estará resolvido o problema do desmatamento. Enquanto isso não acontece, tem que ter fiscalização", disse, destacando a importância de fortalecer a gestão ambiental.' Por isso, Sarney Filho ressaltou que o Ministério do Meio Ambiente não apoia o Projeto de Lei 3729/2004, que cria a Lei Geral de Licenciamento Ambiental. Em tramitação na Câmara, prevê, por exemplo, a flexibilização do licenciamento ambiental para a atividade agropecuária e construção de empreendimentos em áreas preservadas. "Estamos fora dessa discussão", disse ele, após participar, hoje, do Programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, da EBC.