Temer diz que aproveita impopularidade para adotar medidas de interesse do país

Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil

O presidente Michel Temer relativizou a importância da popularidade durante seu período na Presidência da República. Ele repetiu o que já falara em discursos anteriores sobre ter aproveitado a impopularidade de seu governo para fazer o que julga necessário para o país. E acrescentou que, às vezes, fazer o que o povo quer "leva à crucificação de Cristo".

"Eu fiz, aproveitando a impopularidade. Muitas vezes o que o povo quer leva à crucificação de Cristo, que depois foi santificado. [Ou seja,] Leva a movimentos autoritários que nós desprezamos". Temer citou a importância do diálogo do governo com o Congresso. Disse que governa junto com os parlamentares que, segundo ele, são os representantes da sociedade no processo de governança.

Temer discursou durante o 3° Simpósio Nacional de Varejo e Shopping, em Foz do Iguaçu (PR). Em sua fala, ele disse também da importância do respeito à Constituição e afirmou que tomar decisões com base nas aspirações populares é "desorganização".

"Muitas vezes as pessoas dizem 'essa história de cumprir a ordem jurídica é relativa, o que nós precisamos é verificar quais são as aspirações populares e decidir de acordo'. E isso é a maior revelação de desorganização", disse. "E quando nós temos uma Constituinte para constituir uma sociedade, é para fixar regras para que o povo participante possa saber quais são as regras do jogo", completou.

Como tem sido hábito em seus discursos, o presidente resgata vários atos de seu governo. Dentre eles, a fixação de um teto de gastos públicos e as reformas do ensino médio a trabalhista. Lembra ainda da queda da inflação e da taxa básica de juros, ambas durante o seu governo.

Temer também disse que espera, até o fim do mandato, dar andamento às reformas que ainda não concluiu. Ele ressaltou que a reforma da Previdência, apesar de ter esfriado no Congresso, continua na pauta política, uma vez que o déficit da Previdência persiste.

Para o presidente, os candidatos ao Planalto deverão debater soluções para isso na campanha eleitoral deste ano. Ele também afirmou que tentará pautar a reforma tributária antes do fim do ano. "Espero poder concluir o governo com isso [resolvido]. Se não aprovado, pelo menos muito bem encaminhado".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos