PM usa bombas de gás para dispersar caminhoneiros na Via Anchieta

A Força Tática da Polícia Militar (PM) usou bombas de gás para dispersar caminhoneiros que estavam parados no acostamento do quilômetro (km) 23 da Rodovia Anchieta, em São Paulo, na tarde de hoje (29). No entanto, lideranças dos caminhoneiros disseram que voltarão a paralisar, mesmo que em outra rodovia.

"Nós recebemos uma determinação, não foi uma negociação, foi um direcionamento do capitão da Polícia Rodoviária Estadual, de que em cinco minutos seja desocupado o acostamento e que a gente vá para algum lugar. Nós não temos outra alternativa, nós estamos aqui com crianças, com mulheres, pessoas de idade avançada, alguns motoristas têm mais de 60 anos, então o que a gente precisa fazer? Nesse momento, nós precisamos ter bom senso e seguir em frente [retirar os caminhões da via Anchieta] e decidir o que vai ser feito daqui para frente", disse o caminhoneiro Imperador Salomão.

O aviso para saída dos caminhoneiros veio do comandante da operação no local, um capitão da PM. "Nesse primeiro momento, nós vamos liberar aqui, então, por favor, não vim aqui negociar com vocês, eu vim aqui informá-los de que nós vamos liberar, tudo bem? Vim informar antes porque depois vai vir a tropa tirando as pessoas e vocês vão falar 'pô, capitão, mas o senhor não falou que ia ter gás, o senhor não falou que ia ter isso, que ia ter aquilo'. Tá certo? Então por favor recolham as suas coisas e amanhã, depois de amanhã, a gente vê como é que vai fazer", conforme presenciou a reportagem da Rádio Nacional.

Alguns caminhões começaram a sair, enquanto outros ainda permaneciam estacionados. Poucos minutos após o aviso, a Força Tática começou a caminhar na direção dos caminhoneiros e fez uso de bombas de gás contra eles.

Uma das lideranças do movimento no local, Osmar de Oliveira, presidente do Sindicato Estadual dos Caminhoneiros Autônomos, disse que os policiais jogaram bombas de gás em cima dos caminhoneiros. "A gente não vai contra a força [da polícia], o capitão foi lá, conversou com a gente, nós falamos que não vamos peitar os policiais e não precisava usar a força. Mas ele está usando a força e não precisava. Se ele conversasse com as lideranças lá, a gente liberava todos os caminhões, estamos liberando desde a manhã". No entanto, Oliveira disse que o movimento vai se refazer nos próximos dias.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar disse, por telefone, que a Polícia Rodoviária Estadual pediu apoio da Força Tática e que, no local, houve "confronto com moradores" que teriam jogado pedras contra os policiais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos