PUBLICIDADE
Topo

"Clima é de tranquilidade no segundo turno", diz Jungmann

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, vota no segundo turno das eleições 2018 na Escola Politécnica, na Zona Oeste de Recife - Marlon Costa/Futura Press/Folhapress
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, vota no segundo turno das eleições 2018 na Escola Politécnica, na Zona Oeste de Recife Imagem: Marlon Costa/Futura Press/Folhapress

28/10/2018 14h18

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse neste domingo (28) que o clima nas ruas no segundo turno das eleições é de tranquilidade, as ocorrências são em número reduzido e não há conflitos graves.

"A prosseguir nesse ritmo que temos observado até aqui, diria que as eleições tendem a ser bastante tranquilas", disse. "E a vontade do eleitor, espero, ela será respeitada, porque isso faz parte da democracia".

Leia também:

Jungmann esteve no Centro Integrado de Comando e Controle Nacional, na sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Brasília, para acompanhar o andamento da votação. Pela manhã, ele votou em Recife, Pernambuco, antes de voltar à capital federal.

A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, fez declaração no mesmo sentido: “Podemos assegurar aos brasileiros e às outras nações que as eleições estão ocorrendo com paz e tranquilidade de forma justa e livre”, disse nesta tarde, durante visita ao Centro Nacional da Segurança Pública nas Eleições, em Brasília. 

O Ministério da Segurança Pública coordena as operações de ordem e segurança pública nos estados e está integrado com as polícias civis e militares. A Polícia Federal também montou um centro integrado para as eleições, com a participação de 14 instituições, que trabalha nas investigações determinadas pela Justiça Federal.

O ministro disse ainda que não há informações de conflitos entre eleitores opositores. "É uma demonstração de maturidade que estamos vendo nessas eleições, se repetindo o que aconteceu no primeiro turno. A expectativa é que o pós-eleições seja tranquilo quanto foi até aqui", disse.

O balanço parcial é das 18 horas de sexta-feira (26) até o meio-dia deste domingo. 

Até o meio-dia, foram registrados 83 casos de crimes eleitorais, sendo 22 de boca de urna. Também foram presas 58 pessoas por crimes eleitorais, nenhum candidato. De acordo com o ministro, até o começo da tarde, a polícia judiciária instaurou 78 inquéritos.