PUBLICIDADE
Topo

TRT do Rio bloqueia contas da prefeitura pra pagar servidores da saúde

Desembargador condicionou o desbloqueio à tomada de atitude por parte do município: "É melhor do que ficar só esperando" - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Desembargador condicionou o desbloqueio à tomada de atitude por parte do município: "É melhor do que ficar só esperando" Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

11/12/2019 19h19

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Rio de Janeiro decidiu bloquear as contas da prefeitura do Rio para garantir o pagamento dos funcionários terceirizados da área da saúde que estão com salários atrasados. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (11) pelo vice-presidente do TRT, desembargador Cesar Marques Carvalho, durante audiência de conciliação entre a prefeitura e os trabalhadores, que estão em greve.

"Determino o bloqueio. Se tiver resposta do município, se faz o desbloqueio. É o melhor caminho, do que ficar aqui só esperando. Cada dia que passa, se aproxima mais uma parte [salarial] a ser vencida", disse Carvalho, em resposta ao procurador do município, Darcio Augusto, que pediu para esperar até esta quinta-feira (12), já que o prefeito Marcelo Crivella está em Brasília e divulgou, nas mídias sociais, que tinha conseguido verbas para pagar 5 mil funcionários terceirizados da saúde.

"Amanhã vai estar na conta o salário de todos os 5 mil agentes de saúde das clínicas da família e dos técnicos de enfermagem. Também liberamos R$ 36 milhões para o custeio dos hospitais Albert Schweitzer e Pedro II", disse Crivella, que se reuniu com várias autoridades em Brasília, incluindo o presidente Jair Bolsonaro, em busca de uma solução para o impasse.

Em função das notícias de aporte de recursos à saúde divulgadas por Crivella, a audiência no TRT foi suspensa e será retomada nesta quinta-feira. Segundo os profissionais de saúde que acompanharam a audiência, não basta somente pagar os salários atrasados - será necessário ainda comprar insumos, equipamentos e medicamentos para postos de saúde, clínicas e hospitais, itens atualmente em falta.

Cotidiano