PUBLICIDADE
Topo

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,57 bi em abril

26/05/2020 13h27

A venda de títulos públicos a pessoas físicas somou R$ 2,97 bilhões em abril, informou hoje (26) o Tesouro Nacional. Os resgates, por sua vez, somaram R$ 1,4 bilhão. Dessa forma, houve emissão líquida de R$ 1,57 bilhão, maior valor da série histórica, iniciada em janeiro de 2005.

As aplicações de até R$ 1 mil representaram 61,86% das operações de investimento no período. O valor médio por operação foi de R$ 8.235,34.

Os títulos mais demandados pelos investidores foram os indexados à taxa Selic (Tesouro Selic) que totalizaram R$ 1,61 bilhão, representando 54,2% das vendas. Os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) somaram, em vendas, R$ 878 milhões e corresponderam a 29,6% do total, enquanto os títulos prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) totalizaram R$ 480 milhões em vendas, ou 16,2% do total.

Nas recompras (resgates antecipados), também predominaram os títulos indexados à taxa Selic, que somaram R$ 736 milhões (52,7%). Os títulos remunerados por índices de preços (Tesouro IPCA+, Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais e Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais) totalizaram R$ 407 milhões (29,1%) e os prefixados, R$ 253 milhões (18,2%).

Quanto ao prazo, a maior parcela de vendas se concentrou nos títulos com vencimento entre 1 e 5 anos, que alcançaram 58,2% do total. As aplicações em títulos com vencimento acima de 10 anos representaram 25,1%, enquanto os títulos com vencimento de 5 a 10 anos corresponderam a 16,7% do total.

Investidores

No mês, o total de investidores ativos no Tesouro Direto, isto é, aqueles que atualmente estão com saldo em aplicações no programa, chegou a 1.247.338, o que representa um aumento de 33.531 investidores no período. Já o número de investidores cadastrados no programa chegou a 6.768.777, um acréscimo de 256.197 (ou 3,93%) na comparação com março de 2020.

Estoque

Em abril de 2020, o estoque do programa fechou em R$ 60,24 bilhões, aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões).

Os títulos remunerados por índices de preços se mantêm como os mais representativos do estoque somando R$ 29,61 bilhões, ou 49,2% do total. Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 19,96 bilhões (33,1%), e os títulos prefixados, que somaram R$ 10,67 bilhões, com 17,7% do total.

Notícias