Topo

Para petista em Caracas, senadores de oposição desrespeitaram governo de Maduro

19/06/2015 12h10

Caracas - Integrante da comitiva de grupos de movimentos sociais brasileiros de passagem por Caracas, o deputado João Daniel (PT-SE) criticou a iniciativa dos senadores brasileiros em tentar visitar políticos opositores ao governo de Nícolas Maduro que se encontram presos.

"Acho que os senadores poderiam vir e ver os dois lados. Eles vieram para fazer um ato político contra o governo da Venezuela, o que é lamentável", afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo João Daniel. "Lamento profundamente que um grupo de senadores coordenados por Aécio Neves venha visitar e ser solidário. O caso da prisão está sendo tratando como política e no nosso entender não é. Por uma questão de respeito ao governo da Venezuela, eles também deveriam ouvir as autoridades locais", emendou.

A defesa do deputado ao governo venezuelano também foi feita em entrevista na manhã de hoje à ANTV, canal de televisão estatal do governo venezuelano. Na ocasião, João Daniel considerou como "oportunista" a visita dos senadores brasileiros de oposição ao governo Dilma. E que ela serviria apenas para "desgastar o governo democrático.

À reportagem, o deputado também considerou que o governo venezuelano não atuou para tentar impedir a visita dos senadores brasileiros aos políticos opositores ao governo Maduro. "Pelo o que eu sei, o governo da Venezuela os recebeu dentro de todo o trâmite normal. Não criou nenhum obstáculo para eles", disse João Daniel que desembarcou ontem em Caracas no mesmo horário dos senadores.

Visita

Num clima de tensão provocado pela ação de militantes pró-governo de Nicolás Maduro, e com direito a abordagem de militares com câmeras filmadoras, a comitiva de senadores brasileiros não conseguiu cumprir nesta quinta-feira, 18, agenda de visita a líderes políticos de oposição presos.

O grupo, liderado pelos senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores, voltou ao Brasil após cinco horas de espera e duas tentativas frustradas de sair do aeroporto metropolitano em direção ao centro da capital Caracas, a 21 quilômetros dali.

Em nota, o governo brasileiro lamentou os incidentes com os senadores e classificou de "inaceitáveis" os ataques de manifestantes contra os parlamentares brasileiros, destacando que vai solicitar, "pelos canais diplomáticos, os devidos esclarecimentos sobre o ocorrido".

O grupo de oito parlamentares, todos opositores à presidente Dilma Rousseff, visitaria líderes de oposição a Maduro, inclusive Leopoldo López, em greve de fome há 25 dias, e almoçaria com membros da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática. Havia, ainda, previsão de encontros com parentes de presos políticos e uma visita ao prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, que cumpre prisão domiciliar. Mas a comitiva teve de voltar antes do previsto ao Brasil.

Mais Notícias