PUBLICIDADE
Topo

Cartilha do PT diz que Lava Jato difunde mentiras para eliminar partido

O presidente do PT, Rui Falcão: partido preparou cartilha para rebater críticas - Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente do PT, Rui Falcão: partido preparou cartilha para rebater críticas Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

De São Paulo

10/11/2015 21h15

Na mais forte reação do PT às denúncias de corrupção contra integrantes do partido, a direção nacional da legenda vai distribuir a partir desta quarta-feira (11) milhares de cópias de uma cartilha na qual acusa a força-tarefa da Operação Lava Jato, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e setores da imprensa de agirem deliberadamente, com base em "mentiras", para "eliminar o partido da vida política brasileira".

Em 34 páginas, o documento "Em defesa do PT, da verdade e da democracia" relaciona as conquistas do partido nos 12 anos de poder, inclusive na área do combate à corrupção", e descreve o que chama de campanha para criminalizar o partido, dirigentes e o seu maior expoente: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Mentem sob a proteção da toga, nos mais altos tribunais, afrontando a consciência jurídica da Nação em rede nacional de TV. Mentem sob a impunidade parlamentar, disseminando o ódio nas redes sociais. Mentem sob a proteção da autonomia funcional, forjando procedimentos investigatórios sem base alguma, apenas para produzir manchetes. Mentem sob a proteção do anonimato covarde, contrabandeando para a mídia dados parciais e manipulados por meio de vazamentos criminosos", diz o texto.

Conforme a cartilha, "desde a campanha eleitoral de 2014 adversários escolheram as investigações da Operação Lava Jato para insistir em criminalizar o partido".

Para embasar a tese, o texto cita fatos históricos como o caso de Leme (SP), em 1986, em que um delegado acusou falsamente petistas de atirarem contra trabalhadores rurais, e o sequestro do empresário Abílio Diniz, às vésperas das eleições de 1989, quando a polícia de São Paulo obrigou os sequestradores a vestirem camisetas do partido.

"A maneira sistemática, violenta e insultuosa com que estas mentiras vêm sendo difundidas não deixa dúvidas quanto aos objetivos de seus mentores: querem eliminar Lula e o PT da cena política brasileira, temendo sofrer a quinta derrota consecutiva nas eleições de 2018", diz o texto.

No domingo, o jornal "O Estado de S.Paulo" noticiou que procuradores da Lava Jato devem acionar judicialmente os partidos envolvidos no esquema de desvios da Petrobras para cobrar o ressarcimento dos valores desviados.

Doações

Embora a cartilha tenha sido elaborada antes da decisão dos procuradores, o PT incluiu na publicação tabelas mostrando valores de doações de empresas investigadas pela Lava Jato ao PSDB. Segundo o PT, as 17 empreiteiras investigadas doaram R$ 619 milhões ao PT e à campanha da presidente Dilma Rousseff e R$ 601 milhões ao PSDB e à campanha de Aécio Neves em 2014. "Se a origem das doações é a mesma, por que criminalizar apenas as contribuições ao PT?", questiona o documento.

Nesse ponto, a cartilha indaga por que as investigações da Lava Jato se concentram no PT. "As 17 empresas investigadas na Operação Lava Jato não têm contratos apenas com o governo federal, mas com governos estaduais e prefeituras controladas pelo PSDB e outros partidos. Por que investigar e criminalizar somente relações dessas empresas com o PT?". A cartilha cita ainda que outros partidos "incluindo os moralistas mais hipócritas: PPS, DEM e Solidariedade" também receberam recursos dessas empresas.

O texto cita como contraponto o caso de São Paulo. "Governado há 22 anos pelos tucanos, São Paulo é o paraíso das doações empresariais. Diferentemente do que ocorre em nível nacional, em que as contribuições são equilibradas entre PT e PSDB, em São Paulo os tucanos receberam 2 vezes mais dinheiro do que os candidatos do PT nas eleições de 2010 e 2014."

Outro alvo é Gilmar Mendes, autor de um pedido de investigação das contas da campanha de Dilma no Tribunal Superior Eleitoral. "São notórias as ligações de Gilmar Mendes com os tucanos, assim como é escancarado seu comportamento faccioso contra o PT, tanto no STF quanto no TSE", diz o texto.

Narrativa

A cartilha vem sendo elaborada pela direção petista desde agosto e será distribuída tanto em formato impresso quanto digital. A ideia, já defendida várias vezes pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é criar uma narrativa própria para a situação política atual.

A ordem da direção petista é difundir o máximo possível o conteúdo do documento por meio dos canais da legenda nas redes sociais, da Agência PT de Notícias e diretórios petistas. No primeiro momento foram impressos 5.000 exemplares que têm como alvo a imprensa, diretórios e parlamentares do partido. Uma segunda edição já foi encomendada.

"É a nossa defesa que vai ser usada agora e na campanha eleitoral, um resumo dos ataques que o PT vem sofrendo desde a fundação", disse o presidente do PT, Rui Falcão.

Segundo ele, o objetivo não é atacar os adversários, mas impedir um processo de criminalização da atividade política. "Não estamos atacando o PSDB. As doações que eles receberam [de empresas investigadas pela Lava Jato] são semelhantes às nossas, mas não estamos dizendo que é propina. Queremos fazer as pessoas refletirem um pouco", disse Falcão. "Para o PT os procuradores são suspeitos para conduzir a ação porque não são imparciais nem impessoais, exigências do serviço público".

Integrantes do Ministério Público Federal afirmam que só irão se manifestar depois de terem acesso à íntegra da cartilha. A reportagem aguardava respostas do PSDB e da assessoria do ministro Gilmar Mendes.

Notícias