Com chuva, Guarapiranga e Billings liberam 60 bilhões de litros de água

São Paulo - A volta das chuvas fez a Empresa Metropolitana de Água e Energia (Emae) e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) descarregar os Sistemas Guarapiranga e Rio Grande, o braço despoluído da Billings, para evitar o transbordamento das barragens, uma manobra adotada ainda durante a crise hídrica. Desde 8 de dezembro, cerca de 60 bilhões de litros de água foram escoados - 45 bilhões e 15 bilhões em cada reservatório, respectivamente, após superarem 90% da capacidade.

Segundo a Sabesp, que usa os dois sistemas para abastecer cerca de 8 milhões de pessoas na Grande São Paulo, "não há desperdício de água" porque "a sobra do Guarapiranga e do Rio Grande é bombeada de volta para a (Represa) Billings" e "fica disponível para ser reaproveitada, tanto para produção de água potável quanto para produção de energia elétrica" na Usina Henry Borden, em Cubatão, na Baixada Santista.

A água armazenada na Billings, por exemplo, tem sido usada para socorrer o Sistema Alto Tietê, que atravessou severa estiagem em 2014 e 2015. A transposição, no entanto, estava prevista para ser entregue em maio do ano passado, foi inaugurada em 30 de setembro em caráter de testes e entrou em operação plena no dia 11 de dezembro, após o início da descarga de água do Rio Grande. Por segundo, até 4 mil litros podem ser transpostos - 10,4 bilhões por mês. Para encher reservatórios, a Sabesp investiu R$ 180 milhões em obras emergenciais na seca de 2015.

O volume de água descarregado até ontem equivale a 35% da capacidade total do Guarapiranga (171 bilhões de litros) ou a 53% do Rio Grande (112 bilhões) e seria suficiente para abastecer cerca de 7 milhões de pessoas durante um mês. Nos dois casos, a água descarregada se mistura com a que é bombeada do Rio Pinheiros em períodos chuvosos para evitar enchentes na capital. Ontem, o Guarapiranga e o Rio Grande tinham 86,1% e 94% da capacidade, respectivamente.

"A Sabesp deve ter mantido essas represas com o nível elevado com medo de que não chovesse tanto agora", explica Marussia Whately, consultora em recursos hídricos e coordenadora do movimento Aliança pela Água. Ao contrário do Cantareira e do Alto Tietê, esses dois sistemas não sofreram com a estiagem. Por isso, tiveram a capacidade de produção ampliada pela Sabesp durante a crise hídrica. De fevereiro a dezembro do ano passado, a produção de água no Guarapiranga chegou a superar a do Cantareira, que retomou o posto de principal sistema neste mês.

Início

As manobras começaram no Rio Grande, quando o sistema chegou a 99% da capacidade, no dia 8 de dezembro. No Guarapiranga, a transferência é feita para o canal do Rio Pinheiros que deságua na Billings por meio da abertura de comportas pela Emae. A primeira delas aconteceu no dia 28 de dezembro, quando o sistema tinha 92% da capacidade.

Segundo a Sabesp, mesmo após a água ser descarregada na Billings ela ainda pode ser aproveitada para abastecimento público porque a companhia usa os braços Taquacetuba e Rio Pequeno, da represa, para transferir até 9 mil l/s para o Guarapiranga e o Rio Grande. Hoje, contudo, como os dois sistemas estão cheios, as transferências de água não estão sendo feitas pela companhia.

Benefício

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, disse que pretende apresentar, neste ano, uma proposta de revisão tarifária à agência reguladora do setor (Arsesp) para aumentar o número de consumidores beneficiados com a tarifa social, que custa um terço da taxa normal de água.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos