Dilma: houve tudo, menos silêncio em relação às eleições na Venezuela

Brasília - A presidente Dilma Rousseff afirmou, em entrevista ao jornal equatoriano "El Comercio", que o Brasil não foi omisso em relação às últimas eleições parlamentares na Venezuela, quando a oposição ao presidente Nicolás Maduro conquistou a maioria dos assentos na Assembleia Nacional. Na entrevista por e-mail, publicada no último domingo, 24, ela repetiu discurso de nota lançada pelo Itamaraty no início deste ano, em que o governo brasileiro prega o respeito ao resultado do pleito no país vizinho.

Dilma afirmou que "ocorreu tudo, menos silêncio" por parte do Brasil em relação à Venezuela. Ela ressaltou que o governo brasileiro acompanhou, individualmente ou em conjunto com outros membros da Unasul (União das Nações Sul-Americanas), "atentamente" os acontecimentos no país vizinho, a fim de contribuir para o diálogo e busca de soluções. Segundo ela, o Brasil sempre pautou suas ações pelo princípio da "não-intervenção" e pleno respeito às autoridades e ao povo da Venezuela.

A presidente brasileira destacou que a apuração das as eleições venezuelanas foi certificada pela própria Unasul, que enviou missão eleitoral ao país, e que os resultados foram "prontamente reconhecidos" por todas as forças políticas venezuelanas. "Com a instalação da nova Assembleia Nacional venezuelana, temos a expectativa de que todos os atores políticos na Venezuela mantenham e aperfeiçoem o diálogo e a boa convivência, que devem ser a marca por excelência das sociedades democráticas", afirmou.

Logo após a eleição, contudo, o Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela (TSJ) impugnou os resultados das urnas no Estado de Amazonas, sob alegação de compra de votos. Mesmo com a decisão, três deputados opositores assumiram suas funções. Sem os três, a oposição perderia a supermaioria conquistada nas urnas. "Não há lugar, nesta América do Sul do século XXI, para soluções políticas fora das institucionalidade e absoluto respeito a democracia e ao Estado de direito", afirmou Dilma na entrevista.

Outros assuntos

Alvo da discussão de um processo de impeachment na Câmara, Dilma também voltou a defender seu mandato. Na entrevista ao jornal equatoriano, disse que "não é aceitável, em uma sociedade democrática e participativa tirar um presidente apenas por divergência política, sem respaldo jurídico". Ela também reafirmou os compromissos do governo brasileiro em retomar o equilíbrio fiscal, reduzir a inflação e recuperar a confiança dos investidores. Ela afirmou ainda que, mesmo no cenário de ajuste, seu governo manterá os programas sociais.

Dilma viajará nesta terça-feira, 26, ao Equador, onde participará da reunião da a IV Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). O encontro acontece em Quito, capital do país. Como mostrou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, na semana passada, a presidente deverá reforçar, no evento, a disposição do Brasil de integrar a missão de observadores internacionais encarregada de verificar o cumprimento do acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos