Unidos do Peruche abre segundo dia de desfiles em SP com homenagem ao samba

São Paulo - A Unidos do Peruche quer provar que São Paulo não é o túmulo do samba. Para marcar a volta ao grupo especial após cinco anos, a escola aproveita os 100 anos do primeiro registro de samba na Biblioteca Nacional para homenagear o estilo musical genuinamente brasileiro.

A escola abre o segundo dia dos desfiles, neste sábado, 6, com uma declaração de amor ao samba, contando de forma lírica a história do estilo musical no Sambódromo do Anhembi.

No primeiro setor, a Peruche vai mostrar a imigração da população negra ao Rio de Janeiro e as batucadas nos terreiros de baianas.

Depois, é a vez de relembrar as canções que marcaram a história, entre as quais os clássicos "As Rosas Não Falam", de Cartola, e "Trem das Onze", de Adoniram Barbosa. Os sambas-enredo históricos também têm espaço no desfile da Peruche, com a lembrança à Aquarela Brasileira, do Império Serrano, e É Hoje, da União da Ilha.

São retratados também os temas cantados pelos sambistas e os estilos musicais derivados, como o pagode e o samba rock. Está previsto ainda um carro que vai homenagear as escolas paulistanas.

Outro destaque é o uso do vime para a estrutura de fantasias. "Esse material tem volume maior e é cerca de 80% mais leve, o que confere mais mobilidade para quem vai desfilar", explica Edinaldo Santos, diretor de Carnaval da Peruche.

A escola tem 2,6 mil integrantes, que buscam vencer o jejum de 48 anos sem vitória no grupo especial. O terceiro e último título da escola da zona norte paulista foi conquistado em 1967. Em 2015, a agremiação foi campeã no Grupo de Acesso, para o qual caiu em 2011. A rainha de bateria é Stephanye Cristine, pelo 3º ano consecutivo.

Samba-enredo: "Ponha um pouco de amor numa cadência e vai ver que ninguém no mundo vence a beleza que tem o samba… 100 anos de samba, minha vida, minha raiz":

Firma o pandeiro e o tan tan

Tem samba até de manhã

E a nação perucheana faz a festa

O meu batuque ecoou, um lindo canto de amor

A filial chegou

Na ginga vem o povo negro

Celebrando a vida e a magia ancestral

Das bandas de Angola e do Congo

Batendo na palma da mão

Baianas abraçaram a tradição

Na Praça XI, o berço imortal

Herança dos terreiros de Iaiá

São batuqueiros que venceram preconceitos

A nobreza da cultura popular

Cavaquinho a tocar, sentimento no ar

É poesia eternizada em cada nota

O som que aflora é a cara do povo

"Aquarela" que pintou um mundo novo

Então, "Meu Brasil, Brasileiro"

É de bambas, celeiro

Nas ruas, vielas, a voz da favela

Acordes que trouxeram liberdade

Não marcam bobeira, a boemia e a malandragem

À luz da lua suas faces vão brilhar

E nos quintais, inspiração de um novo dia

Se tem o banjo e o repique, vamos sambar no Cacique

Fazer do enredo uma canção

Eu sou Peruche, "Não leve a mal"

"A grande campeã de Carnaval"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos