Petrobras

Líder do governo diz que houve "erro de condução política" na votação do pré-sal

No Rio

O líder do governo no Senado, Humberto Costa, disse nesta sexta-feira (26), ao chegar para a reunião do Diretório Nacional do PT, que "houve erro de condução política" na votação do projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que desobrigou a Petrobras de ser operadora única e ter participação mínima de 30% na exploração da camada do pré-sal. Segundo Costa, quando o governo decidiu negociar o texto que acabou aprovado, que dá à estatal preferência em futuras licitações, a posição contrária do PT já estava consolidada e não houve ambiente para discutir a alteração feita pelo relator Romero Jucá (PMDB-RR).

"De manhã (na quarta-feira, 24, dia da votação), nos foi dito que a posição era contrária (ao projeto). Trabalhamos os discursos, tudo em cima disso. Depois chegou a proposta (de negociar a inclusão da preferência da Petrobras). Mas nosso campo já estava muito radicalizado. A proposta (aprovada) é inegavelmente melhor do que o texto original do Serra, mas já havia um ambiente de conflagração e o pessoal (parlamentares do PT e outras legendas da base) não quis nem analisar. A proposta não era ruim, mas chegou no momento errado. Houve um erro de condução política. Se o governo tivesse dito antes 'vamos negociar', a gente teria feito. Faltou uma calibração melhor na política", afirmou Costa.

O senador disse esperar que a Câmara, onde o projeto será analisado agora, "melhore" o texto. "Não tem como resolver em 15, 20 minutos ou meia hora um problema que tem toda essa simbologia, por envolver a Petrobras", afirmou. Costa amenizou a forte reação de setores do PT contra o comportamento do governo ao negociar a aprovação do projeto. "Não vi como um problema do outro mundo", declarou.

Também presente na reunião do Diretório, o deputado Henrique Fontana (RS) disse que a bancada do partido na Câmara será contra o projeto que saiu do Senado. Segundo Fontana, os deputados cobrarão do governo uma explicação para o que aconteceu no Senado, com a mudança em cima da hora, quando os petistas acreditavam que o governo tinha dado aval à posição contrária ao projeto. "Esse tema foi tratado de uma maneira muito açodada, muito precipitada no Senado. A população foi surpreendida", reclamou Fontana.

Durante toda a discussão da proposta de José Serra, a presidente Dilma Rousseff deu sinais contraditórios sobre o projeto, e deixou governistas favoráveis e contrários ao projetos sem uma posição clara do governo. Parlamentares avaliam que o estilo da presidente, de adiar a tomada de decisões de temas fundamentais como este, acabou criando mais este conflito entre o governo e o PT.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos