'É difícil ser republicano neste país', diz Cardozo

Brasília - De saída do Ministério da Justiça, José Eduardo Cardozo admitiu na terça-feira, 1º, que sofreu críticas e pressões de todos os lados, e não apenas do PT, seu partido. "É difícil ser republicano neste país", afirmou ele à reportagem.

Cardozo tomará posse amanhã na Advocacia-Geral da União (AGU), atendendo a pedido da presidente Dilma Rousseff. Ele decidiu entregar o cargo na Justiça, que ocupou durante cinco anos, após forte pressão do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alvo da Operação Lava Jato, Lula sempre o responsabilizou por não controlar a Polícia Federal.

"As críticas foram de setores da base aliada do governo e da oposição. Não posso imputar isso a A, B ou C. É da vida", disse. "Recentemente, por exemplo, a oposição me criticou por causa da abertura de um inquérito", comentou ele, numa referência à investigação aberta pela Polícia Federal para apurar se o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso enviou dinheiro no exterior à jornalista Miriam Dutra, com quem teve um relacionamento afetivo, por meio da empresa Brasif. FHC nega as acusações.

Ele assegurou que a autonomia das investigações da Lava Jato "será respeitada" por seu sucessor, Wellington Cesar Lima e Silva, e minimizou as críticas à sua indicação.

Integrantes da Advocacia Pública Federal divulgaram nesta segunda-feira uma nota de repúdio à nomeação de Cardozo, que substituirá Luís Inácio Adams. Para eles, a escolha de um nome fora da carreira é um "retrocesso inaceitável" por ignorar a lista tríplice apresentada à Presidência da República com os mais votados pela AGU.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos