MP e defesa têm até 15h30 para se manifestar sobre prisão preventiva de Santana

São Paulo - O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato, deu até as 15h30 desta quinta-feira, 3, para que o Ministério Público Federal se pronuncie sobre a conversão da prisão temporária do marqueteiro João Santana e de sua mulher e sócia, Mônica Moura. Os dois estão presos desde o dia 23 de fevereiro, suspeitos de terem recebido pelo menos US$ 7,5 milhões do esquema de corrupção na Petrobrás.

"A autoridade policial pleiteou a decretação da prisão preventiva de João Cerqueira e Monica Regina", informa Moro, em despacho posterior ao feito pelos delegados Márcio Anselmo e Renata da Silva Rodrigues. "Ciência com urgência ao MPF e à Defesa respectiva, por telefone, para manifestação até as 15:30 acerca do requerido", diz o texto.

A PF pediu a prisão temporária de Santana e Mônica, alvos centras da 23ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Acarajé. Há suspeita de destruição de prova e obstrução das investigações. A autoridade analisa ainda pagamentos de valores além dos já admitidos pelo casal, por meio de repasses irregulares, envolvendo a Odebrecht e o operador de propinas Zwi Skornicki.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos