Moro avaliou que coercitiva de Lula reduziria risco de tumultos

Curitiba e Brasília, 04 - O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato, considerou o risco de tumultos para decretar a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, alvo da 24ª fase batizada de Operação Aletheia. Houve suposto vazamento da operação e identificação de mobilização para gerar tumulto nas buscas.

"Apontado motivo circunstancial relevante para justificar a diligência, qual seja evitar possíveis tumultos como o havido recentemente perante o Fórum Criminal de Barra Funda, em São Paulo, quando houve confronto entre manifestantes políticos favoráveis e desfavoráveis ao ex-Presidente e que reclamou a intervenção da Polícia Militar", diz Moro em despacho.

"Colhendo o depoimento mediante condução coercitiva, são menores as probabilidades de que algo semelhante ocorra, já que essas manifestações não aparentam ser totalmente espontâneas." Segundo Moro, com a medida, "previnem-se incidentes que podem envolver lesão a inocentes", sem embargo do direito de manifestação política.

"Por outro lado, cumpre esclarecer que a tomada do depoimento, mesmo sob condução coercitiva, não envolve qualquer juízo de antecipação de responsabilidade criminal, nem tem por objetivo cercear direitos do ex-Presidente ou colocá-lo em situação vexatória."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos