Lideranças do PMDB temem que antecipação de convenção possa dividir partido

Brasília, 23 - Após jantar com o vice-presidente da República, Michel Temer, alguns dos principais porta-vozes do PMDB temem que antecipar a decisão sobre desembarque do governo para o próximo dia 29 possa dividir o partido. Segundo eles, há resistência especialmente dos peemedebistas que integram o governo com cargos em ministérios.

Integrantes da cúpula do PMDB confirmaram que havia consenso para que o partido oficializasse desembarque, desde que a decisão fosse tomada apenas no dia 12 de abril, como previamente acordado.

Já com a decisão de Temer de antecipar a convenção, é possível que o partido não assine conjuntamente o desembarque e deixe a convenção dividida, ponderam alguns. Segundo senadores que participaram do jantar desta terça-feira, 22, na residência oficial da Vice-Presidência, manter a convenção para o dia 29 não foi uma decisão unânime.

Na noite de ontem, Temer ouviu alguns membros da Executiva do PMDB, entre eles o senador Romero Jucá (RR), o líder do partido no Senado, Eunício Oliveira (CE), o ex-ministro de Aviação Civil, Eliseu Padilha, o atual ministro dos Portos, Helder Barbalho, e o líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ).

Ainda ontem, os ministros Eduardo Braga (Minas e Energia) e Helder Barbalho conversaram diretamente com outros peemedebistas no Senado. Nesta manhã, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, que também é peemedebista circulou pelo plenário do Senado. O objetivo é convencer outros parlamentares a pressionar Michel Temer e membros da Executiva a manter a convenção para o dia 12 de abril.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos