Picciani rebate Jucá e diz que bancada não irá tolerar interferência

Brasília, 7 - O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), reagiu nesta quinta-feira, 7, à declaração do presidente nacional do partido, senador Romero Jucá (RR), de que o PMDB deve "fechar questão" a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff e que punirá quem não seguir a decisão.

Em entrevista ao blog do jornalista Josias de Souza, Jucá afirma que há uma "tendência" no PMDB de fechar questão pró-impeachment. O fechamento de questão é uma ferramenta prevista no Estatuto do partido e que permite a sigla obrigar seus deputados e senadores a seguirem a vontade da maioria, sob pena de expulsão.

Picciani reconheceu que o estatuto do PMDB prevê fechar questão, mas avaliou que a declaração de Jucá parece uma "assertiva indevida". "Ninguém vai fechar questão no grito", criticou o líder peemedebista. Em um recado a Jucá, o deputado afirmou ainda que a bancada não irá "tolerar" qualquer interferência em suas decisões.

Segundo o líder, o que está fechado até agora é apenas uma reunião da bancada na próxima semana para tirar a "posição majoritária", que será encaminhada como posição oficial, "ressalvadas as posições divergentes". Por essa decisão, Picciani afirma que não haveria punição a quem não seguir.

O peemedebista lembrou que, para que o partido "feche questão" a favor do impeachment, é necessário que a decisão seja aprovada não só pela bancada da Câmara, mas pela maioria dos senadores e dos integrantes da Executiva Nacional da sigla.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos